quinta-feira, 31 de outubro de 2013


Fiat compra fabricante de motores a diesel pertencente à GM


Com a aquisição, montadora terá acesso a 90 mil motores/ano
Por Natali Chiconi    Quatro  Rodas
A Fiat agora tem sua própria divisão de motores a diesel após adquirir a VM Motori. A montadora italiana, que já detinha parte da empresa de propulsores, adquiriu a outra parte, que pertencia à General Motors. Relatórios iniciais apontam que o valor da transação foi de aproximadamente US$ 47 milhões.

Com a aquisição, a Fiat terá acesso completo à produção de 90 mil motores por ano. Vale destacar que nem todos os propulsores a diesel serão aplicados em veículos. A empresa também fornece motores à nova RAM 1500 EcoDiesel e ao Jeep Grand Cherokee EcoDiesel, ambas pertencentes ao Grupo Chrysler, que também é da Fiat.

A mudança pode viabilizar diversas mudanças na motorização dos carros da marca. Estima-se, por exemplo, que agora seja lançado um novo Chrysler 300 com motor a diesel.

Governo federal deixa de investir mais de R$ 40 bilhões em rodovias

A Confederação Nacional do Transporte divulgou um estudo sobre as estradas brasileiras. Mais de 60% das rodovias pesquisadas têm problemas.

A Confederação Nacional do Transporte (CNT) divulgou um estudo sobre as estradas brasileiras. O relatório afirma que, nos últimos 11 anos, o governo federal deixou de investir mais de R$ 40 bilhões na expansão e na melhoria da malha rodoviária. A reportagem é de Vladimir Neto.
As estradas do Pará estão entre as piores do país, segundo a pesquisa da CNT. Na BR-155, a pista, a sinalização, até o traçado, tudo é considerado péssimo. O estudo analisou quase 100 mil quilômetros de estradas pelo Brasil e revelou que mais de 60% das rodovias pesquisadas têm problemas como buracos, desgaste, sinalização precária, e foram consideradas ruins, péssimas ou regulares.

O estudo também mostra que em quase 90% das rodovias pesquisadas, a pista ainda é simples, de mão dupla, o que aumenta o risco de acidentes. Em 40% delas, não há nem acostamento.

Nos últimos 11 anos, o governo deixou de aplicar mais de R$ 40 bilhões previstos no orçamento na expansão e melhoria das estradas. Dinheiro suficiente para reconstruir 29,5 mil quilômetros de rodovias, de acordo com os cálculos da CNT.

O Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) reconhece que as obras demoram a sair do papel.

“Você vai elaborar um projeto de engenharia que leva tempo. Não é do dia pra noite. Juntamente com isso tem todo o componente ambiental e um processo de licenciamento ambiental”, explica o diretor do Dnit, Jorge Fraxe.

Segundo o levantamento, o sistema rodoviário está sobrecarregado. Nos últimos dez anos, a frota brasileira dobrou. Além disso, de acordo com estimativas do setor, hoje 66% de toda a movimentação de cargas do Brasil passam pelas estradas.

Em vários pontos, os caminhoneiros já sofrem com as filas, como no acesso ao Porto de Santos.

“Buraco, é trânsito. Na rodovia, dia e noite é parado", aponta um motorista.
“Muito prejuízo que a gente fica horas arriscado a ser assaltado”, diz um caminhoneiro.

Diante dos números, a CNT já fala em colapso das principais vias de escoamento da produção agrícola e industrial nos próximos anos.

“Isso vai criar um apagão logístico. Vai ter uma hora que não vai acontecer não são só as filas até o Porto de Santos, não. Quilômetros e quilômetros de caminhões parados. Nós vamos ter é quilômetros e quilômetros de caminhões parados em todo o sistema rodoviário brasileiro, porque não consegue escoar a produção”, avalia Clésio Andrade, presidente da CNT.
O Ministério dos Transportes não quis se pronunciar. Em nota, a ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, declarou que o programa de concessões de rodovias do governo federal vai acelerar as obras de duplicação e construção de estradas. Ainda segundo a ministra, o PAC concluiu obras em mais de 2,5 mil quilômetros de rodovias em todo o país. 
JORNAL NACIONAL

Sem vaga para a mãe com câncer, mulher dá tapa na cara de prefeito


Mulher diz ter sido ofendida após pedir atendimento em Dumont (SP).
Idosa teve internação negada após 12 horas de espera, alega filha.

Do G1 Ribeirão e Franca
Janete, de 48 anos, disse ter agredido prefeito após pedir atendimento para sua mãe com câncer (Foto: Weber Sian/Jornal A Cidade)Janete disse ter agredido prefeito após pedir atendimento para a mãe (Foto: Weber Sian/Jornal A Cidade)
Uma mulher agrediu, com um tapa na cara, o prefeito de Dumont (SP), Adelino da Silva Carneiro (PSD), na tarde de terça-feira (31), alegando ter sido ofendida pelo chefe do Executivo por reivindicar melhor atendimento para a mãe com câncer. Janete Dutra, de 48 anos, afirma que Maria de Lourdes Oloco Camargo, de 78 anos, ficou por mais de 12 horas sem receber atendimento e que foi tratada com descaso. Em nota, a Prefeitura informou que a agressão ao prefeito não teve justificativa e que o atendimento foi oferecido à paciente. Segundo a Policia Civil, a mulher e o prefeito registraram boletim de ocorrência e ainda serão ouvidos.
Janete relata que foi até a Prefeitura na terça-feira depois que o caso de sua mãe, com câncer de laringe há três anos e problemas pulmonares há quatro anos, foi encarado, segundo ela, com descaso pela unidade mista de saúde da cidade. Ao cobrar melhor atendimento, ela alega ter sido recebida com ofensas pelo prefeito. “Ele me atendeu na varanda da Prefeitura.  Depois da conversa, eu já estava indo embora quando ele me chamou de vagabunda. Perguntei: 'o que você falou?'. Ele disse de novo: 'vagabunda!'. Aí eu dei um tapa na cara dele. Ele ameaçou vir pra cima de mim, armou o braço, mas umas pessoas que estavam trabalhando lá seguraram e o trancaram lá dentro”, diz Janete, que após o ocorrido registrou boletim de ocorrência na Polícia Civil contra o chefe do Executivo por agressão verbal.
A moradora afirma que procurou falar com o prefeito como última tentativa de conseguir internação para sua mãe com câncer na unidade mista de saúde de Dumont. De acordo com ela, a busca começou no sábado (26), quando Maria de Lourdes teria ficado 12 horas esperando até ter o atendimento negado porque seu estado de saúde foi considerado terminal. “Minha mãe não acordava, expelia uma secreção muito forte. Ela precisava de atendimento. (...) Fui perguntar como funcionava para conseguir uma vaga em um dos leitos e me disseram que minha mãe não foi internada porque ela não aguentaria até segunda-feira (28).”
No início desta semana, Janete conta que, por um apelo da família, a secretária de Saúde, Crisley Roberta Alves, e um médico visitaram sua mãe em casa, mas, mais uma vez, trataram o caso como sem solução e não ofereceram nenhuma assistência. “Eles chegaram na minha casa e o médico agachou ao lado da minha mãe e perguntou se ela estava acordada. Depois começou a dizer que ela estava cansada, que estava muito doente e que ela iria descansar em breve do outro lado, que algo muito bonito esperava por ela. Depois que ele soube que ela luta contra o câncer há três anos, me deu os parabéns e disse que ela tinha superado as expectativas. Depois, deu as costas e foi embora”, afirma Janete.
A filha alega que pediu ajuda à secretária, mas esta teria a aconselhado a não dar mais soro, nem levá-la ao hospital, pois não havia mais o que fazer. “Minha mãe está em uma situação irreversível. Eu sei disso, os atendimentos que fazemos são paliativos. O que quero é amenizar a dor e seu sofrimento. (...) Hoje minha mãe deu resposta muito boa, abrindo o olho, conseguiu se sentar. Queria que vissem como minha mãe melhorou."
Prefeitura
Em nota, a assessoria de imprensa da Prefeitura de Dumont informou que o atendimento à paciente Maria de Lourdes foi realizado normalmente e que Adelino da Silva Carneiro foi agredido sem justificativa. A administração municipal  alega que, em nenhum momento, o prefeito tentou revidar a agressão. A Prefeitura informou ainda que “tomará as medidas cabíveis contra a agressora”.

Agência libera uso de eletrônicos em pouso e decolagem de voos nos EUA


FAA anunciou novas recomendações às empresas aéreas nesta quinta.
Celulares deverão permanecer em modo avião e sem ligações de voz.

Do G1, em São Paulo

A Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos (FAA) anunciou nesta quinta-feira (31) que as empresas aéreas podem ampliar o uso de equipamentos eletrônicos pelos passageiros em todas as fases do voo de maneira segura, e informou que irá fornecer um guia para a implementação das novas medidas às empresas.
As novas recomendações, que devem permitir que os passageiros operem dispositivos para ler, jogar ou ver vídeos em um avião a qualquer altitude, foram adotadas após a convocação de um painel assessor da FAA.
Segundo a norma vigente atualmente, os aparelhos pessoais como smartphones, outros celulares, tablets e outros equipamentos devem ser desligados no pouso e na aterrissagem.
Devido às diferenças entre as operações nas empresas aéreas, as implementações devem variar entre as companhias. A agência espera, entretanto que até o fim do ano a maior parte das empresas consiga permitir o uso de equipamentos de maneira segura durante todo o voo.
Segundo um comunicado divulgado nesta quinta, a FAA baseou sua decisão em conclusões geradas por um grupo de especialistas que incluiu representantes das companhias aéreas, fabricantes de aviões, passageiros, pilotos, comissários e da indústria de tecnologia móvel.
Deste modo, os passageiros poderão ler livros eletrônicos, utilizar jogos e ver vídeos em seus equipamentos durante todo o voo, incluindo decolagem e pouso, com muito poucas exceções. Os celulares deverão permanecer em modo avião ou com o serviço de telefonia desabilitado durante toda a viagem, e não poderão ser usados para comunicações de voz.
As empresas aéreas terão que revisar seu material de bordo e oferecer novos treinamentos a seus funcionários com as novas orientações.
Cada empresa tem autonomia para decidir como e quando o uso dos equipamentos será ampliado em seus voos. Em casos extremos, como quando há visibilidade reduzida, por exemplo, os comissários poderão orientar os passageiros a desligar seus equipamentos.

STJ autoriza prazo de validade para crédito de celular pré-pago


TFR-1 havia proibido operadoras de zerar crédito após tempo sem uso.
Para ministro, mudar regra pode prejudicar empresas e consumidores.

Mariana Oliveira Do G1, em Brasília

O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro Félix Fischer, suspendeu decisão tomada pelo Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF-1) que proibia a fixação de prazo de validade para créditos de telefones celulares pré-pagos em todo o país. A decisão proferida na quarta (30), foi divulgada nesta quinta-feira (31) pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel).
A Justiça Federal decidiu em agosto, após pedido do Ministério Público Federal, que os créditos não poderiam expirar após determinado tempo sem uso, e as decisões foram mantidas. O TRF-1 tinha decidido, inclusive, que os créditos expirados fossem reativados em 30 dias.
Ao analisar um recurso apresentado pela Anatel para a suspensão da decisão, o ministro Félix Fischer destacou que é legítima a resolução da Anatel que disciplina o tema. Para ele, poderia haver prejuízo tanto para empresas quanto para consumidores.
"A manutenção do ato decisório ora combatido ocasionará lesão à ordem e à economia pública. [...] Altera aspectos técnicos específicos que foram previstos para proteger com maior eficácia a integridade das relações atinentes à prestação dos serviços de telefonia", justificou.
Ao STJ, a Anatel argumentou que o número de usuários de telefones pré-pagos no país corresponde a 80% da base de 265 milhões de telefones móveis e destacou que o modelo de prazo de validade dos créditos "está alinhado com os modelos adotados em diversos países".
"Vem funcionando com sucesso e é um dos grandes responsáveis pela expansão da telefonia móvel. [...] A mudança fará com que operadoras sejam obrigadas a manter ativas todas as linhas de celular, mesmo aquelas não mais em uso. É grave lesão à economia pública em virtude do tamanho da base de consumidores."
Para a Anatel, a proibição do prazo de validade prejudicaria os consumidores porque aumentaria o valor do serviço prestado. "Dificultará o acesso a esse serviço socialmente tão relevante, largamente utilizado pela população mais humilde."
O Ministério Público ainda poderá recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF). Em agosto, a Anatel pediu que o STF suspendesse a decisão do TRF-1, mas teve o pleito negado pelo ministro Marco Aurélio Mello.

Protesto contra aumento no IPTU bloqueia Avenida Paulista


Protesto tinha cerca de 200 pessoas, segundo a PM.
Grupo se reuniu na região do Masp e fechou totalmente a via às 20h.

Do G1 São Paulo

Grupo protesta contra  o aumento do IPTU na Avenida Paulista (Foto: Marcelo Mora/G1)Grupo protesta contra o aumento do IPTU na Avenida Paulista (Foto: Marcelo Mora/G1)
Uma manifestação contra o aumento do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) bloqueou os dois sentidos da Avenida Paulista, em frente ao Masp, por volta das 20h desta quinta-feira (31). O protesto tinha cerca de 200 pessoas, de acordo com Polícia Militar.
Por volta das 20h10, o grupo começou a caminhar no sentido Paraíso. Os manifestantes pediam que seja vetado o aumento do IPTU na cidade de São Paulo. O grupo que ocupava a Paulista era formado por mascarados que exibiam uma faixa com a mensagem: "Reduziram R$ 0,20 e aumentaram o IPTU".
IPTU
Sob protestos e com placar apertado, 29 votos a favor e 26 contra, a Câmara Municipal de São Paulo aprovou na noite desta terça-feira (29), em 2ª votação, o projeto que revisa a Planta Genérica de Valores (PGV) e provoca o aumento do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU) em 2014. O projeto segue, agora, para sanção do prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT).
O texto aprovado prevê reajuste em 2014 limitado até, no máximo, 20% para imóveis residenciais e 35% para imóveis comerciais. A proposta original da Prefeitura previa instituir uma trava de 30% e 45%, respectivamente. Ainda segundo o projeto, em 2015 e em 2016 imóveis que já não tiverem recebido todo o reajuste no ano anterior poderão ter, em cada exercício, aumentos residuais de 10% para residências e de 15% para comércios.
Um dos destinos do valor do aumento do IPTU, segundo a Prefeitura, é manter o subsídio ao transporte.

Seminário vai capacitar produtores de farinha em Cruzeiro do Sul


Evento será realizado nos dias 13 e 14 de novembro.
Farinha de Cruzeiro do Sul deve receber o selo de melhor do Brasil.

Francisco Rocha Do G1 AC

Farinha de Cruzeiro do Sul é famosa pela qualidade (Foto: Francisco Rocha/G1)Farinha de Cruzeiro do Sul é famosa pela qualidade (Foto: Francisco Rocha/G1)
A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) em parceria com o Ministério da Agricultura e a Secretaria de Indústria e Comércio do Acre (Sedens), promove nos dias 13 e 14 de novembro um seminário de capacitação para produtores rurais em Cruzeiro do Sul.
O foco do evento é ensinar aos produtores novas técnicas que vão melhorar a qualidade da produção da farinha e aumentar a rentabilidade do produtor. De acordo com o coordenador do escritório da Embrapa no Juruá, Francisco de Assis Correia Silva, os pesquisadores já estão trabalhando para que seja outorgado o selo da farinha de Cruzeiro do Sul como a melhor do Brasil país
“Naturalmente a farinha de Cruzeiro do Sul já é considerada como a melhor do Brasil, mas para ter essa confirmação definida é preciso se fazer uma pesquisa sobre o produto, e orientar os agricultores com técnicas de boas práticas melhorando a higiene na fabricação desse produto para que ele se torne de fato a melhor farinha da país”, explicou Silva.
O coordenador relatou que durante visitas em algumas propriedades, constatou que muitos agricultores ainda trabalham de forma artesanal. Ele explica que para que o produto tenha melhor qualidade é necessário melhorar a higiene nos recipientes utilizados desde o processo de manuseio na lavagem da raiz da mandioca até a secagem da massa que é transformada em farinha.
O seminário é destinado aos produtores rurais associados às cooperativas Copfarinha e Camprosul. A expectativa é que ao menos 60 agricultores participem do evento.
Para diversificar a qualidade da farinha, os agricultores fabricam o produto em cores branca e a amarelada com sabor de coco. Para o presidente da Camprosul, Antônio Azevedo a ideia é melhorar cada vez mais a qualidade da farinha, que é o principal produto da agricultura familiar produzido em Cruzeiro do Sul.
“Nosso produto já é reconhecido pela qualidade, mas para se manter no mercado externo é preciso melhorar mais. Queremos ganhar mais mercado, hoje o agricultor vende uma saca de farinha tipo 1, sem sair de casa a R$180. Se ele der mais qualidade a esse produto o preço de comercialização para o mercado externo pode melhorar”, acredita Azevedo.

População será ouvida a respeito dos impactos ambientais no rio Araguari


Moradores de 5 municípios serão orientados por pesquisadores da Unifap.
Evento reúne entidades e empresas que realizam atividades na bacia do rio.

John Pacheco Do G1 AP
Evento reuniu entidades que realizam atividades no Rio Araguarí, no Amapá (Foto: John Pacheco/G1)Evento reuniu entidades que desenvolvem atividades
no Rio Araguari, no Amapá (Foto: John Pacheco/G1)
Pesquisadores e analistas ambientais vão consultar a população dos municípios de Cutias, Ferreira Gomes, Pedra Branca, Porto Grande e Serra do Navio, localidades banhadas pela bacia do rio Araguari, a maior do Amapá, para saber sobre os impactos da construção de hidrelétricas e o desvio do curso do rio.
O objetivo é consolidar um banco de informações mais precisas para desenvolver políticas que evitem desastres ambientais na região, que é polo pesqueiro e turístico, através do fenômeno da pororoca.
Até 2016 serão construídas 3 hidrelétricas ao longo do rio Araguari. Como fase inicial desse processo, aconteceu em Macapá nesta quinta-feira (31) um workshop onde foram ouvidos representantes de entidades ligadas diretamente às atividades realizadas na bacia.
Carla Moreira, analista ambiental  (Foto: John Pacheco/G1)Carla Moreira analista ambiental da empresa que
realiza as obras da hidrelétrica no Araguarí
(Foto: John Pacheco/G1)
Entre elas, a empresa responsável pela construção de uma das 3 usinas no rio, além de representantes da Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema), Instituto de Mapeamento e Ordenamento Territorial (Imap) e Eletronorte. O encontro é organizado pela Universidade Federal do Amapá (Unifap) e pela organização Conservação Internacional (CI-Brasil).
"Mesmo sendo uma bacia de suma importância para o Estado, as informações a respeito de impacto, habitação, recursos florestais e hídricos devem ser analisadas com mais precisão, para que possamos fomentar futuramente uma cartilha de projetos para o desenvolvimento sócioambiental da região", frisou Alan Cunha doutor em Ciências Ambientais e Biodiversidade da Unifap.
Pororoca é uma das atrações turísticas do Rio Araguarí, no Amapá (Foto: Adriano Monteiro/Divulgação)Pororoca é uma das atrações turísticas do Rio
Araguari, no Amapá
(Foto: Adriano Monteiro/Divulgação)
De acordo com Carla Moreira, analista ambiental da empresa que realiza a construção da usina hidrelétrica no município de Ferreira Gomes, a 137 quilômetros de Macapá, serão atingidas diretamente pela obra as áreas de 2 municípios.
"Trabalhamos diretamente com o perímetro da construção, nos municípios de Ferreira Gomes e Porto Grande. A empresa auxilia o programa de capacitação para os técnicos que vão desenvolver o plano de avaliação estratégica, que levanta dados para desenvolver o comitê da bacia", explica.
Esses dados serão repassados posteriormente à Sema para acionar mecanismos que contribuam para a relação entre as populações que dependem do Araguari e as obras da hidrelética.

Piracema inicia nesta sexta-feira (1º) em MT nos rios da bacia do Araguaia


Nos rios das bacias do Paraguai e Amazonas a piracema começa no dia 5.
Comandante da Polícia Ambiental disse que policiamento será intensificado.

Do G1 MT

 
O período proibitivo se estenderá até o dia 28 de fevereiro de 2012. (Foto: Assessoria/Sema-MT)Lei prevê definição de data da Piracema pelo
Consema. (Foto: Assessoria/Sema-MT)
A partir desta sexta-feira (1º) começa a piracema em Mato Grosso para os rios da bacia hidrográfica do Araguaia. Até fevereiro do ano que vem ficará proibida a pesca a fim de comercialização nos rios do estado. No próximo dia 5, as restrições para a pesca também se estenderá aos rios das bacias do Paraguai e Amazonas. Durante o período proibitivo, de acordo com o comandante do Batalhão da Polícia Ambiental do estado, Rhaygino Setúbal, será intensificado o policiamento nos rios visando coibir a pesca predatória. "Temos guarnições compostas de três policiais que vão fazer a fiscalização nos rios", afirmou.
Ele disse que o pescador flagrado pescando nesse período será detido e autuado em flagrante. A pena para esse crime ambiental varia de um a três anos de prisão e multa, de R$ 700 a R$ 100 mil, mais R$ 20 por quilo de pescado apreendido. Está autorizada somente a pesca pelas comunidades ribeirinhas, porém, para o consumo próprio. Os moradores dessas comunidades devem cumprir uma cota diária de 3 quilos ou uma peça de pescado de qualquer peso.
Não é só a pesca que fica proibida durante a piracema. Quem for flagrado transportando pescado também pode ser penalizado, conforme o comandante. "É permitida somente a pesca de subsistência, das pessoas que vivem na beira do rio e dependem da pesca para a sua manutenção diária", afirmou Rhaygino.
A legislação estabelece ainda que no segundo dia útil após o início do período da piracema, os pescadores e comerciantes são obrigados a informar à Secretaria de Estado do Meio Ambiente (Sema) os estoques de pescado resfriados ou congelados. A medida também vale para frigoríficos, peixarias, postos de venda, restaurantes, hotéis e similares.
Piracema
A piracema é um período natural de reprodução dos peixes de água doce, que ocorre em ciclos anuais no período de chuvas. O período de restrição de pesca serve para garantir ciclo de vida dos peixes e assegurar a renovação dos estoques pesqueiros para os anos seguintes.

Policiais federais paralisam atividades em protesto em MS


Paralisação ocorre em todo país, segundo informações de sindicato.
Superintendência da PF diz que não vai ser manifestar sobre o ato.

Do G1 MS

Faixas foram colocadas em frente à superintendência da PF/MS (Foto: Gustavo Arakaki/G1 MS)Faixas foram colocadas em frente à superintendência da PF em MS (Foto: Gustavo Arakaki/G1 MS)
Policiais federais de Mato Grosso do Sul iniciaram uma paralisação, de 24 horas, na manhã desta quinta-feira (31). O objetivo, segundo a categoria, é conscientizar a população sobre o que os servidores que integram o ato consideram como sucateamento do órgão. Cerca de 40 agentes da PF de Campo Grande iniciaram protesto por volta das 8h (de MS) em frente à superintendência da corporação na cidade.
Segundo o presidente do Sindicato dos Policiais Federais no Estado do Mato Grosso do Sul (Sinpef/MS), Jorge Caldas, a paralisação não prejudicará serviços como plantão e passaporte. Procurada, a superintendência da PF informou ao G1, por meio da assessoria, que não vai se manifestar sobre o protesto.
O movimento também tem como finalidade, de acordo com o sindicato, divulgar as condições de trabalho, consideradas pela classe como precárias no estado. "Em Corumbá e Ponta Porã, por exemplo, que são regiões de fronteira, as delegacias estão totalmente sucateadas", relatou Caldas ao G1.
Conforme o presidente do Sinpef, a paralisação denominada “O Dia das Bruxas na Polícia Federal” engloba todos os estados brasileiros. Além da interrupção de algumas atividades, o sindicato também realiza doações de sangue e panfletagem na região central de Campo Grande e outros municípios.

Shopping alvo de protestos apoia Mês da Consciência Negra na PB


Em reunião, Shopping Tambiá assinou Termo de Cooperação.
Fórum da Cidadania Negra começa nesta sexta no empreendimento.

Do G1 PB

Novembro, o Mês da Consciência Negra, vai contar com uma programação especial no Shopping Tambiá, que é parceira na realização do Fórum da Cidadania Negra, aberto ao público e que começa nesta sexta-feira (1º), às 10h. O evento faz parte de uma série de acordos firmados entre o shopping e representantes da OAB-PB, Juizado da Criança e do Adolescente, do Movimento Negro, da Juventude e LGBT durante uma reunião realizada na terça-feira (29).
 A intenção da reunião era discutir o que os movimentos sociais consideram como discriminação no estabelecimento comercial, de acordo com o presidente do Movimento do Espírito Lilás, Renan Palmeira. A reunião culminou na assinatura de um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC).
“Chegamos a um consenso. O Shopping não nega alguns acontecimentos descriminatórios por parte dos funcionários e vai lutar contra isso, principalmente para garantir o respeito aos Direitos Humanos lá dentro”, afirma Renan. Além disso, ele contou que foi estabelecido um fórum permanente de diálogo entre o Shopping Tambiá e os movimentos sociais, que vão pensar ações que integrem a sociedade e o espaço.
De acordo com a assessoria de imprensa do Shopping, o empreendimento está "empenhado em preservar uma sociedade igualitária, além do Fórum da Cidadania Negra, também realizará outras campanhas educativas, no decorrer do ano, que abrangerão o combate a todo o tipo de discriminação". O Fórum vai contar com a participação das principais lideranças do movimento negro contra o racismo, além de representantes da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) seccional Paraíba, do Ministério Público e de órgãos estaduais e municipais engajados na causa, na composição da mesa de debates.
Ainda de acordo com Renan, os compromissos foram além e foi firmada uma parceria: “Eles inclusive se comprometeram a realizar um curso de capacitação para a equipe de segurança e os funcionários, e a ajudar na divulgação da Parada da Diversidade Sexual e fazer parte da programação do Novembro Negro”.
O MEL avalia que o diálogo entre os movimentos e o Shopping foi extremamente positivo e que conseguiram fazer com que o maior estabelecimento comercial do Centro de João Pessoa se comprometesse a combater o racismo e a homofobia. “Tivemos uma pauta concreta e saímos de lá com um Termo de Conduta assinado pelo senhor Marcos”, comemora o presidente do Movimento.
Até o fechamento da matéria, a Superintendência do Shopping Tambiá não estava disponível para comentar os resultados da reunião.

Tenda do Cirque du Soleil é erguida em cinco minutos


Turnê 'Corteo' começa no dia 8 de novembro, na Região de Curitiba.
Estrutura acomoda mais de 2.500 pessoas; topo fica a 19 metros de altura.

Thais Kaniak Do G1 PR
A grande tenda branca do Cirque Du Soleil foi erguida nesta quinta-feira (31), em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba. Em aproximadamente cinco minutos, a estrutura – que acomoda um público de mais de 2.500 pessoas – foi levantada. Sessenta funcionários participaram do processo para erguer mais de cem hastes de aço. O topo da cúpula fica a 19 metros de altura e tem 51 metros de diâmetro. Já os quatro mastros com as bandeiras ficam a 25 metros de altura.
Assista ao vídeo que mostra o momento em que a grande tenda branca do Cirque Du Soleil foi erguida.
Sessenta pessoas ergueram a grande tenda branca do Cirque Du Soleil nesta quinta-feira (31) em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba (Foto: Thais Kaniak / G1 PR)Sessenta pessoas ergueram a grande tenda branca do Cirque Du Soleil nesta quinta-feira (31) em Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba (Foto: Thais Kaniak / G1 PR)
As apresentações do Cirque du Soleil vão começar no dia 8 de novembro. A temporada de “Corteo”, que significa cortejo em italiano, segue até o dia 15 de dezembro, no Expotrade. O espetáculo foi criado e dirigido por Daniele Finzi Pasca.
Noventa containers e mais de mil toneladas de equipamentos fazem parte da turnê de “Corteo”. A estruturada começou a ser montada na quarta-feira (30) e ficará pronta para receber o público na quinta-feira (7). No total, são oito dias de montagem.
Tenda antes de ser erguida (Foto: Thais Kaniak / G1 PR)Tenda antes de ser erguida (Foto: Thais Kaniak /
G1 PR)
O chefe de montagem da tenda, Alex Sblatterom, explicou que a montagem da tenda deve ser muito precisa. “Nós começamos pela coluna e depois fechamos e levantamos toda a lona. O mais importante é estar tudo 100% nivelado”, relatou. De acordo com Sblatterom, a segurança do público, dos artistas e dos colaboradores é a principal preocupação durante a montagem.
O Brasil é o décimo país a receber "Corteo", que passa por outras cinco cidades do país até março de 2014. O espetáculo estreou em 2005 no Canadá e já foi visto por mais de sete milhões de pessoas em todo o mundo.
Ingressos
O preço dos ingressos varia entre R$ 95,00 (meia-entrada) a R$ 450,00 (inteira) conforme o setor, o dia e a sessão da apresentação. Para quem optar ao serviço Tapis Rouge, o valor adicional é de R$ 160,00 ou R$ 190,00.
De terça a sexta-feira, as sessões serão realizadas às 21h e, em algumas datas durante a semana, também terão apresentações às 17h. Já aos sábados as sessões serão às 17h e às 21h, e às 16h e às 20h aos domingos.
Os ingressos podem ser comprados na bilheteria oficial, no piso superior do Park Shopping Barigui (Rua: Professor Pedro Viriato Parigot de Souza, nº 600); na internet, pelo telefone  4003-5588 e, partir do dia 8 de novembro, no local de apresentação.
O Expotrade fica na Rodovia Deputado João Leopoldo Jacomel, nº 10.454.
Funcionários erguendo a tenda que tem mais de cem cabos de aço (Foto: Thais Kaniak / G1 PR)Funcionários erguendo a tenda, que tem mais de cem cabos de aço (Foto: Thais Kaniak / G1 PR)

Ex-beatle Ringo Starr toca em Curitiba pela primeira vez nesta quinta


Ex-baterista dos Beatles traz show com a 'All Starr Band' para o Paraná.
Apresentação será às 21h30 desta quinta-feira (31) no Teatro Positivo.

Do G1 PR

Ringo Starr toca em Curitiba pela primeira vez (Foto: Divulgação)Ringo Starr toca em Curitiba pela primeira vez
nesta quinta-feira (Foto: Divulgação)
Curitiba recebe nesta quinta-feira (31), pela primeira vez, o ex-beatle Ringo Starr. Aos 73 anos, o ex-baterista da maior banda de todos os tempos vem à capital paranaense acompanhado da All Starr Band, composta por Steve Lukather, Gregg Rolie, Richard Page, Todd Rundgren, Mark Rivera e Gregg Bissonette. O show está marcado para as 21h30, no Teatro Positivo.
A turnê de Ringo e banda, que também passou por São Paulo na terça-feira (29), divulga o trabalho mais recente do ex-beatle – o dvd “Ringo At The Ryman”, que conta com uma mescla de clássicos do rock, composições inéditas, e, claro, sucessos dos Beatles. Canções que o próprio baterista cantava nas apresentações da banda inglesa, como “Yellow Submarine” e ”With A Little Help From My Friends”, estão garantidas no repertório da noite.
Com o show desta quinta, Ringo Starr se junta a Paul McCartney na lista dos ex-beatles que se apresentaram em Curitiba. O baixista tocou em 1993 na Pedreira Paulo Leminski, hoje desativada para grandes espetáculos. McCartney também passou pelo Brasil em 2013, com shows em Belo Horizonte, Goiânia e Fortaleza. John Lennon e George Harrison, já mortos, nunca tocaram em Curitiba.
O preço dos ingressos para o show de Ringo e All Starr Band varia entre R$ 205 (meia entrada) a R$ 555, de acordo com o setor. As entradas podem ser adquiridas pelo Disk Ingressos, ou na bilheteria do teatro, que fica na R. Pedro Viriato Parigot de Souza, 5.300. A classificação do evento é 14 anos, e outras informações podem ser obtidas pelos telefones (41) 33150808 e 33173283.

Em PE, policiais federais paralisam atividades por 24 horas


Emissão de passaportes deve contar com 30% do efetivo, diz Sindicato.
Categoria pede melhores condições de trabalho e reclama de negociações.

Do G1 PE

Os policiais federais de Pernambuco fazem uma paralisação de 24 horas durante essa quinta-feira (31), pedindo melhores condições de trabalho e que as negociações avancem com o Governo Federal. O presidente do Sindicato dos Policiais Federais do Estado de Pernambuco (Sinpef/PE), Marcelo Pires, afirma que os serviços vão ser prestados à população.
"Os passaportes serão atendidos pelo mínimo da exigência da greve. Vai diminuir o número de atendentes, mas deverá fluir de acordo com a demanda, obedecendo os 30%. Teremos no aeroporto uma passeata contínua, principalmente pela manhã, no saguão, com faixas e entregando panfletos", explica o presidente.
Os grevistas devem se organizar durante a manhã, na Superintendência do órgão, com faixas e panfletos buscando conscientizar a população. "A paralisação serve para alertar o governo sobre a morosidade das negociações com a categoria, que já vão para quase cinco anos. É uma injustiça grande, o pessoal já está cansado de tanta conversa e sem solução concreta", aponta.
O Sindicato protesta ainda contra o sucateamento funcional e salarial, a falta de definição das atribuições dos cargos de escrivão, papiloscopistas e agentes federais, todos com exigência de nível superior por lei, entre outros problemas relacionados a redução do orçamento. A paralisação deve atingir também as delegacias da PF em Salgueiro e Caruaru. 

Segunda etapa de vacinação contra aftosa começa nesta sexta (1º), em PE


Animais devem ser imunizados até o dia 30 de novembro.
Produtor que não vacinar rebanho poderá ser multado pela Adagro.

Do G1 Caruaru

Vacinação contra aftosa começa quinta-feira no município. (Foto: Reprodução)Dose da vacina custa em média R$ 1,60.
(Foto: Reprodução)
Começa nesta sexta-feira (1º) a segunda etapa da campanha de vacinação contra febre aftosa em Pernambuco. A vacinação segue até o dia 30 de novembro. Devem ser vacinados animais de todas as idades. O estado pretende imunizar mais de 90% do seu rebanho que hoje é de 2,1 milhões de bovinos e bubalinos.

O produtor deverá adquirir a vacina nas casas agropecuárias e declarar a vacinação nos escritórios da Agência de Defesa e Fiscalização Agropecuária de Pernambuco (Adagro). A dose custa em média R$ 1,60.  A vacina deve ser conservada em gelo. Para evitar o estresse dos animais, a dose deverá ser aplicada nas horas mais frias do dia, pela manhã ou no fim da tarde.

Segundo a gerente geral da Adagro, Erivânia Camelo, quem não vacinar o rebanho sofrerá punições. “O criador que não vacina fica impedido de tirar a Guia de Trânsito Animal (GTA) e ainda paga multa de no mínimo R$ 60”, explica.

Pernambuco foi reconhecido nacionalmente como área livre de febre aftosa com vacinação no mês de setembro, porém o reconhecimento internacional só deve vir em maio do próximo ano.

A doença

A febre aftosa é uma doença altamente contagiosa que provoca febre e aftas na boca e nos cascos dos animais, prejudicando a locomoção e a alimentação do rebanho. Os animais atingidos pela doença ficam com a produção de leite e carne comprometida, o rebanho perde valor e compromete o comércio municipal, estadual, nacional e internacional de carne, leite e outros produtos derivados. Isso acaba com a renda do produtor e causa prejuízos econômicos e sociais.

Prefeitura no PI tem energia cortada por não pagar conta de R$ 10 mil


Prefeitura não pagou as contas de junho a setembro deste ano.
Prefeito Idevaldo Ribeiro disse que pagará a dívida ainda nesta quinta-feira.

Gilcilene Araújo Do G1 PI

A Eletrobras Distribuição Piauí cortou na quarta-feira (30) o fornecimento de energia nos prédios que pertencem à Prefeitura Municipal de Várzea Branca, cidade localizada na região Sul do Piauí. A iluminação pública do município e a energia do prédio dos Correios também foram suspensos. Segundo a distribuidora, o prefeito Idevaldo Ribeiro não efetuou o pagamento das contas referentes aos meses de junho a setembro deste ano. O atraso já chega a R$ 10 mil.

A assessoria de imprensa da Eletrobras disse que o prefeito entrou em contato com a empresa e afirmou que pagará a dívida ainda nesta quinta-feira.

A gestão municipal foi informada sobre a dívida e teve um prazo de 15 dias para efetuar o pagamento do débito e segundo a Eletrobras, o fornecimento foi cortado proque não houve proposta formal da prefeitura para negociação e nem identificação do pagamento das faturas. Entretanto, a empresa disse que assim que o pagamento for realizado o fornecimento será restabelecido.
Na prefeitura, um funcionário disse por telefone que não houve expediente no prédio hoje por conta da falta de energia.

O G1 encontrou em contato com o prefeito Idevaldo Ribeiro através de telefone e este negou o débito e disse que já havia tentado uma negociação. Ainda de acordo com o administrador, a conta será paga ainda nesta quinta-feira.

'A ordem é encantar e emocionar', diz diretor artístico sobre Natal Luz


Diretor artístico Luciano Alabarse garante que nada será igual a 2012.
Tecnologia do espetáculo 'Natalis' proporcionará evento inédito no país.

Estêvão Pires Do G1 RS

Fantástica Fábrica de Natal Natal Luz Gramado  (Foto: Cleiton Thiele/SerraPress Divulgação)Fantástica Fábrica de Natal Natal Luz Gramado (Foto: Cleiton Thiele/SerraPress Divulgação)
Roteiros totalmente novos, trilhas sonoras reformuladas e fantasias únicas. Esses são os conceitos que nortearam a renovação de alguns dos principais espetáculos do Natal Luz 2013, que estará pelo segundo ano consecutivo sob o comando do diretor artístico Luciano Alabarse. O evento começa nesta sexta-feira (1º) e vai até 12 de janeiro de 2014 em Gramado, na Serra do Rio Grande do Sul.
“Temos objetivos claros: encantar, emocionar e realizar desejos. Estou novamente à frente do projeto e garanto que não haverá repetições. Queremos fazer mais e melhor, respeitando o espírito natalino. A ordem é emocionar”, diz o diretor.
Ele não revela os detalhes, ainda mantidos em sigilo, mas adianta uma das atrações no chamado “Grande Desfile de Natal”: carros alegóricos terão seis globos infláveis para mostrar as situações distintas do Natal em cada continente e no Polo Norte. De acordo com a organização, mais de R$1 milhão foram investidos somente no projeto.
Diretor Artístico do Natal Luz, Luciano Alabarse, tenta aperfeiçoar resultados obtidos em 2012 (Foto: Cleiton Thiele/Serra Press)Diretor Artístico do Natal Luz, Luciano Alabarse,
tenta aperfeiçoar resultados obtidos em 2012
(Foto: Cleiton Thiele/Serra Press)
A “Fantástica Fábrica de Natal” também figura entra as atrações que tiveram atenção especial de Alabarse, responsável por dirigir entre as décadas de 1970 e 1990 peças de teatro consagradas com textos de Nelson Rodrigues, Marcílio Moraes, Caio Fernando de Abreu e Lya Luft.
O espetáculo contará a trama da menina Sofia que, encantada por histórias, viaja para um mundo de imaginação e fantasia, onde bonecas ganham vida, soldadinhos dançam, trenzinhos correm e duendes andam de ponta-cabeça, culminando na chegada do Papai Noel e suas renas.
“E nada será igual ao ano passado”, sentencia o diretor. Uma prévia foi vista no último domingo (27), quando centenas de pessoas aplaudiram de pé o ensaio aberto.
Outra marca no Natal Luz de 2013 deverá ser o “Natalis”, no Lago Joaquina Rita Bier, no centro de Gramado. Usando tecnologia inédita no Brasil, o show irá contar, na voz de Cid Moreira, a história da celebração do nascimento de Jesus Cristo. A atração contará com gigantescas telas de água com dimensões de até 200 metros quadrados de área de projeção e efeitos sonoros e luminosos, além de águas dançantes e fogos sincronizados.
A organização da maior festa natalina do Brasil ainda confirma que a trilha sonora do “Grande Desfile”, com direção de Walter Neto, resgata parte do formato dos primeiros anos, quando havia o comando do compositor e pianista gaúcho Geraldo Flach, que morreu em 2011. A música terá um ar mais angelical. No final, haverá uma mistura de músicas natalinas renomadas, além da presença de vários Papais Noéis.
Já o “Nativitaten”, uma ópera a céu aberto, terá a participação de três tenores e dois sopranos, além de um grupo de oito atores que atuarão na ilha do Lago Joaquina Rita Bier. O palco será totalmente novo e haverá telões de 30 metros quadrados para que o público possa ter melhor visualização. Balsas e as gôndolas do espetáculo também foram renovadas. A prefeitura do município informa ter investido cerca de R$ 500 mil na aquisição de um novo chafariz no local.

Policiais federais de RO param atividades por 24 horas


Manifestação nesta quinta-feira atinge o país.
Burocracia, falta de investimento e salários congelados motivam paralisação.

Do G1 RO

Policiais federais param atividades por 24 horas em RO (Foto: Marcos Paulo/G1)Policiais federais param atividades por 24 horas
em RO (Foto: Marcos Paulo/G1)
Policiais federais de Rondônia pararam as atividades por 24 horas nesta quinta-feira (31). A manifestação, que atinge o país, quer chamar a atenção das autoridades para situações de risco a que são expostos os agentes. Segundo o Sindicato dos Policiais Federais de Rondônia, todos os serviços estão paralisados, mas no Aeroporto Internacional de Porto Velho um efetivo de 30% segue com as atividades normais.

De acordo com João Bosco Costa, diretor jurídico do sindicato, burocracia, falta de investimento no setor e salários congelados motivam o aumento da evasão de servidores e, consequentemente, a paralisação. “Não apenas isso. Falta perspectiva para a categoria. Temos chefias indicadas, sofremos assédio moral e, por conta disso, tivemos policiais federais que já tentaram tirar a vida por causa da pressão dentro do órgão”, afirma Costa.

Cerca de 200 agentes trabalham em todo o estado, o que para Costa é um número bem abaixo do ideal. “Chegamos a quase 200 servidores, mas o ideal seriam 500, até porque atendemos a uma faixa de fronteira”, finalizou.

A manifestação segue para o aeroporto.

Alunos de escola pública produzem adubo e inseticida orgânico, em RO


Projeto é desenvolvido por alunos do 1º ao 9º ano em escola de Cacoal.
Objetivo é evitar o uso de agrotóxicos na produção agrícola.

Fernanda Bonilha Do G1 RO

Projeto é desenvolvido por alunos do 1º ao 9º ano em escola de Cacoal (Foto: Fernanda Bonilha/G1)Projeto é desenvolvido por alunos do 1º ao 9º ano em escola de Cacoal (Foto: Fernanda Bonilha/G1)
O projeto 'Biofertilizantes e Biodefensivos: Saúde para o Homem e para a Natureza', da Escola Municipal Maria Montessori de Cacoal, RO, foi escolhido para a etapa regional da IV Conferência Estadual Infanto Juvenil, que acontecerá de 4 a 6 de novembro em Porto Velho. A estudante Melissa Jaskiu dos Santos, de 12 anos, irá representar a escola e foi uma das idealizadoras do projeto.  “Nós percebemos na comunidade escolar que hoje em dia estão ocorrendo muitos problemas com a poluição do ar, da água e da terra devido o uso de agrotóxicos, então resolvemos desenvolver um projeto para mudar essa situação no nosso município”, afirma a estudante.
De acordo com a professora e orientadora do projeto, Ana Claudia de Oliveira, o objetivo era  produzir biofertilizantes e biodefensivos na escola e na comunidade. O projeto é desenvolvido desde julho. “Queremos sensibilizar a comunidade escolar para a prática da agricultura sustentável, evitar a contaminação do produto, do consumidor e do solo, obter produtos agrícolas mais saudáveis, além de reduzir o uso de agrotóxicos”, afirma a professora.
Objetivo é evitar o uso de agrotóxicos na produção agrícola (Foto: Fernanda Bonilha/G1)Objetivo é evitar o uso de agrotóxicos na produção
agrícola (Foto: Fernanda Bonilha/G1)
Com os biofertilizantes e biodefensivos produzidos nas escola é possível tocar a lavoura com custos mais baixos e obter uma produção cada vez mais orgânica, segundo a professora. Para isso, a escola aproveita alguns subprodutos disponíveis no lote agrícola para fabricar os adubos e inseticidas líquidos, que são obtidos através do processo de fermentação de matéria orgânica, contendo microorganismos vivos, que ajuda a manter o balanceamento nutricional das plantas, deixando-as mais resistentes ao ataque de pragas e doenças.
“Os biofertilizantes são alternativas importantes, principalmente para os pequenos produtores que não podem gastar muito, e podem ser fabricados a partir do aproveitamento de alguns produtos que geralmente é jogado fora”, explica Melissa.
Para a fabricação do biofertilizante, os alunos aproveitam produtos orgânicos do ambiente agrícola como esterco, cinzas, restos de comidas, frutas, verdura e folhas, além de adicionar leite, melaço de cana ou açúcar. Esses ingredientes são depositados em um recipiente para fermentar até se transformar em uma solução líquida homogênea. Nesse estado está pronto para ser utilizado diretamente na planta ou na fertirrigação (técnica de aplicação simultânea de fertilizantes e água, através do sistema de irrigação).
Os adubos e inseticidas são utilizados na horta da escola. Segundo Melissa o objetivo principal é expandir para a comunidade e sítios vizinhos. O trabalho é realizado na escola através do Projeto Com Vida, que envolve cerca de 100 alunos do 1° ao 9° ano.

Dia de Finados faz aumentar a procura por flores em Vilhena, RO


Festas de fim de ano também aquecem o comércio de flores, diz produtora.
Na frente do cemitério, vendedora se antecipa para garantir lugar.

Lauane Sena Do G1 RO

Festas de fim de ano também aquecem o comércio de flores, diz produtora (Foto: Lauane Sena/G1)Festas de fim de ano também aquecem o comércio de flores, diz produtora (Foto: Lauane Sena/G1)
Com a chegada do Dia de Finados, o comércio de flores em Vilhena (RO) fica mais intenso, sejam elas naturais ou artificiais. Trabalhando há cerca de três anos com a produção de flores, tanto em vasinhos, quanto flores de corte, utilizadas em decoração de ambientes, uma chácara no Setor 53, Priscila Zonta vende flores para todo o estado. De acordo com a gerente do negócio, Priscila Zonta, a procura por flores começa a ser maior nessa época e vai até janeiro. “As flores mais procuradas para o dia de finados são as gérberas e os crisântemos, mas no geral, a partir de agora, a procura por flores é grande também por conta das festas de fim de ano” diz.
Zonta afirma que a produção é contínua e o único problema dessa época do ano é que a durabilidade das flores fica comprometida. “Apesar do aumento da procura, o que nos atrapalha um pouco nessa época são as chuvas, que fazem com que as flores tenham uma durabilidade menor”, diz.
Já a aposentada Lurdes Barreto, de 60 anos, sempre vende flores, coroas e velas nessa época, a fim de complementar o orçamento. As flores são artificiais, ela compra e monta os vasinhos. A aposentada monta a barraca em frente ao Cemitério Municipal Cristo Rei com pelo menos cinco dias de antecedência. Este ano chegou mais cedo, oito dias antes. “Eu venho mais cedo para garantir o local”, diz a vendedora.
Ela conta que consegue vender quase todas as flores antes do dia 2. Ela também vende velas e água. “No meio da tarde eu já termino de vender tudo, aí vou para casa curtir o resto do feriado”, diz Lurdes.

Em RR, policiais federais aderem à paralisação nacional de um dia


Apenas 30% do efetivo está trabalhando nesta quinta-feira (31).
Tema da mobilização é 'Dia das Bruxas da Polícia Federal'.

Vanessa Lima Do G1 RR

Policiais estão concentradas em frente a sede da PF/RR (Foto: Vanessa Lima/G1 RR)Policiais estão concentradas em frente à sede da PF/RR (Foto: Vanessa Lima/G1 RR)
Agentes, papiloscopistas e escrivães da Superintendencia Regional da Polícia Federal (PF) em Roraima aderiram à paralisação nacional que ocorre nesta quinta-feira (31). Apenas 30% do efetivo está trabalhando. A mobilização é intitulada como o 'Dia das Bruxas da Polícia Federal'. A concentração acontece em frente à sede da instituição, no bairro Calungá, zona sul de Boa Vista.
O diretor-presidente do Sindicato dos Servidores do Departamento de Polícia Federal de Roraima (Sindpoferr), Luiz Roberto Paredes Barroso, informou que a categoia busca 'maior respeito' por parte do governo federal com os profissionais dos três cargos.
Em nota divulgada pela Federação Nacional dos Policiais Federais, consta que o atual governo tem repassado as competências da instituição para o Exército e Força Nacional, e promovendo o sucateamento institucional do órgão através do corte de investimentos.
Apenas 30% do efetivo está trabalhando (Foto: Vanessa Lima/G1 RR)Apenas 30% do efetivo está trabalhando
(Foto: Vanessa Lima/G1 RR)
"A nossa reivindicação maior é o respeito do governo federal perante os agentes, escrivães e papiloscopistas federais. Buscamos ainda a nossa reestruturação salarial e que reconheçam as nossas atribuições perante a sociedade brasileira", informa.
Em Roraima, a categoria reivindica também o aumento do efetivo. Barroso disse que o problema tem refletido na atuação da PF nas fronteiras do país com a Venezuela e Guiana, nos municípios de Pacaraima e Bonfim, respectivamente.
"As fronteiras estão abandonadas na área do serviço operacional. Apenas o atendimento aos estrangeiros e brasileiros que entram e saem do país está acontecendo. Exporadicamente que existe atuação operacional", destaca.
Segundo Barroso, o efetivo não é nem o mínimo necessário para atendimento nas unidades da PF nas fronteiras. "Tinha que ter ao menos quatro policiais para atendimento aos estrangeiros. E, atualmente, só tem três em Bonfim e em Pacaraima há dias que tem apenas um ou dois. A administração não aumenta o efetivo porque não quer", critica.
A falta de atuação preventiva a crimes também é outro ponto criticado pelo sindicato. Os policiais reivindicam condições de trabalho adequadas para a atuação no sentido de impedir que o crime aconteça, e não somente após.

Banheiro para cachorros é construído ao ar livre em Balneário Camboriú


W.C. fica dentro de complexo comercial no Litoral Norte de SC.
Engenheiro que teve ideia afirma que concepção veio da necessidade.

Do G1 SC

Engenheiro afirma que já viu banheiro público para cachorros em outros países (Foto: Luiz Carlos de Souza/RBS TV)Engenheiro afirma que já viu banheiro público para cachorros em outros países (Foto: Luiz Carlos de Souza/RBS TV)
Os donos de um empreendimento de Balneário Camboriú, no Litoral Norte de Santa Catarina, construíram um banheiro para cachorros ao ar livre. O W.C. fica em um complexo comercial localizado no Centro da cidade, e os animais de estimação podem fazer as necessidades dentro do local. 
Placa explica para donos de cachorros para o que serve o local (Foto: ok)Placa explica para donos de cachorros para o que
serve o local (Foto: Luiz Carlos de Souza/RBS TV)
"Tive a ideia por uma necessidade, pois na vizinhança há muitos cachorros. Coloquei um gramado na frente de uma loja porque a prefeitura exigiu uma área permeável, mas em dois meses a grama estava destruída por causa dos bichos. Foi então que tive a ideia de algo que já havia observado em países como Holanda e Espanha e adaptei para nossa realidade", afirmou o engenheiro civil Otávio Schuchmann, que teve a ideia de criar o banheiro público para cachorros.
Ainda de acordo com o engenheiro, a limpeza do banheiro é sustentável. "Criamos uma tubulação para fazer a captação da água da chuva, que realiza a higienização do local. Ainda colocamos uma placa no local avisando que é um banheiro para cachorros. Esperamos que a ideia eduque parte dos donos dos animais. Mas muitos já utilizam o espaço", relatou Otávio.
O banheiro para cachorros fica no complexo comercial localizado em um boulevard na Avenida Brasil, uma das vias mais movimentadas de Balneário Camboriú.

Extrativo mineral cresce mais que grandes setores da indústria no TO


O segmento avançou 23,2% em 2012, segundo pesquisa da Fieto.
Implantação de empreendimentos no estado contribuiu para o avanço.

Jesana de Jesus Do G1 TO

Extrativo mineral apresentou maior crescimento no PIB industrial do Tocantins (Foto: Márcio Di Pietro/ATN)Extrativo mineral apresentou maior crescimento no PIB industrial do Tocantins (Foto: Márcio Di Pietro/ATN)
O extrativo mineral é um segmento em ascensão no estado. Embora seja o menor setor da indústria do Tocantins, foi um dos responsáveis pelo crescimento do PIB industrial, que aumentou 3,6% em 2012, segundo pesquisa da Federação das Indústrias do Estado do Tocantins (Fieto). Em 2011, a fatia do setor no PIB foi de R$ 89 milhões, subindo para R$ 109 milhões em 2012. O segmento apresentou um crescimento de 23,2%, maior que o desempenho verificado entre os grandes da indústria (veja quadro no final do texto).
“O estado tem potencial mineral importante”, diz o chefe de gabinete do sistema Fieto, José Roberto Fernandes. No futuro, explica ele, à medida que houverem mais pesquisas sobre o potencial mineral, o setor deverá crescer ainda mais. O motivo? A implantação de grandes empreendimentos no estado.
"Houve um aumento da planta industrial a partir do investimento privado, o que provocou um aumento na quantidade de emprego e da massa salarial", argumenta o gerente de desenvolvimento industrial da Fieto, Carlos Assis, sobre os motivos que provocaram o bom desempenho do setor.
Foi investido capital superior a R$ 600 milhões na implantação da Mbac Fertilizantes, em Arraias (Foto: Divulgação/MbAC Fertilizantes)Foi investido capital superior a R$ 600 milhões na
implantação da Mbac Fertilizantes, em Arraias
(Foto: Divulgação/MbAC Fertilizantes)
Duas indústrias podem ser destacadas: a MbAC, em Arraias, sul do estado, com a extração de superfosfato simples (SSP) para a produção de fertilizantes e a Votorantim, em Xambioá, norte do Tocantins, com a extração de calcários para a fabricação de cimentos. “Dois grandes empreendimentos com capital intensivo”, resume Fernandes.
A MbAC começou a funcionar no segundo semestre deste ano. O primeiro ano completo da empresa no sul do estado será em 2014. "Este ano o impacto ainda foi pequeno", disse o presidente da MbAC, Roberto Busato Belger. Ele destacou que o setor pode impulsionar ainda mais o crescimento do PIB no próximo ano. Segundo ele, a estimativa de produção anual da empresa é de 500 mil toneladas, quantidade necessária para abastecer mercados nas regiões Nordeste, Norte e Centro-Oeste do Brasil e ainda diminuir a importação do produto no Tocantins.
"A empresa é fundamental, é o maior complexo mineroquímico do sul do estado e a primeira e única produtora de fertilizantes da região Norte", destaca Belger. A empresa, segundo o presidente, investiu R$ 600 milhões na implantação da indústria. O empreendimento promete ser fundamental para o Tocantins. "O minério vai possibilitar a abertura de novas áreas agrícolas", conclui Belger.
Com a instalação da indústria 400 empregos diretos foram gerados, a grande maioria proveniente do município de Arraias. A expectativa é que mais 1500 sejam contratados indiretamente. Segundo destacou o presidente antes de contratar a mão-de-obra, o Sesi/Senai instalou uma unidade móvel no município e ofereceu cursos em 12 especialidades, como mecânica, elétrica, operador de máquina e motorista.
Dalila Ramalho de Jesus largou a área da educação para ingressar na indústria (Foto: Divulgação/MbAC Fertilizantes)Dalila Ramalho de Jesus largou a área da
educação para ingressar na indústria
(Foto: Divulgação/MbAC Fertilizantes)
A pedagoga Dalila Ramalho de Jesus, de 28 anos, natural de Arraias, viu a cidade crescer com a chegada da empresa. Ela, que trabalhava na área da educação do município, não quis ficar olhando o 'bonde passar'. Enfrentou um processo seletivo e foi contratada em fevereiro deste ano para trabalhar como assistente de logística. Seis meses depois foi promovida e hoje trabalha no setor de recursos humanos. "Resolvi sair da educação em busca de novos conhecimentos, para aprender algo a mais". A renda dela aumentou em 30%.
Dalila ainda diz que, numa visão mais macro, a empresa propiciou benefícios para a economia da pequena cidade de quase 11 mil habitantes. "Os profissionais estão buscando qualificação para se adequar ao perfil da empresa, a renda da população aumentou e o comércio cresceu para suprir a demanda".
A Votorantim Cimentos, em Xambioá desde 2009, também foi um dos principais empreendimentos que contribuiu para o PIB 2012. A produção da unidade é destinada para atender o estado do Tocantins, sudeste do Pará, oeste do Maranhão e sul do Piauí. No total 600 empregos diretos e indiretos foram gerados.
Gargalos e soluções
O setor que mais cresceu é ainda considerado economicamente incipiente no Tocantins. Há 89 indústrias do segmento em todo o estado contra mais de 400 da construção civil, indústria que mais arrecada no estado, mas que pelo segundo ano consecutivo sofreu uma queda (-8,1%) e provocou também queda no PIB do estado em 3,1%.
O setor de extrativo mineral é um dos mais promissores no Tocantins (Foto: Márcio Di Pietro/ATN)O setor de extrativo mineral é um dos mais
promissores no Tocantins
(Foto: Márcio Di Pietro/ATN)
Segundo uma pesquisa realizada pela Fieto, 50% das atividades nas indústrias de minerais não-metálicos do Tocantins são do ramo de extração de areia, cascalho ou pedregulho e beneficiamento associado, vindo em seguida o ramo de extração e britamento de pedras e outros materiais para construção e beneficiamento associado (19,3%). No terceiro maior ramo da atividade, encontra-se com 10,5%, a atividade de extração de calcário e dolomita e beneficiamento associado.
A mesma pesquisa realizada pela Fieto de janeiro a março deste ano, apontou alguns problemas na indústria de extrativo mineral. Em 2012 o fator que foi apontado como obstáculo para as empresas foi a falta de mão de obra qualificada. Problemas que o Senai busca solucionar. Segundo a superintendente do Senai no Tocantins, Raimunda Tavares, a instituição sempre se reúne com representantes sindicais patronais e de empregados para ouvir as demandas da indústria. Em cima do que é apresentado o Senai busca traçar um plano de metas para suprir os problemas.
Com relação à MbAC em Arraias, por exemplo, Raimunda disse que o Senai acompanhou todas as etapas da vinda da empresa ao estado, desde a instalação em 2008 até o início da produção. No início, como o próprio presidente da empresa destacou, o Senai qualificou os profissionais, a maioria moradores da região, para ingressar no trabalho.
O Senai continua acompanhando a evolução destes profissionais e, para atender a uma outra demanda apresentada pela MbAC, a instituição em parceria com o Senai de Goiás vai oferecer um curso de operadores de mineroquímicas. Outro objetivo é implantar um posto avançado em Arraias para atender especificamente a empresa, já que foi uma das que mais empregou no setor no estado.
Se depender da previsão dos analistas e dos esforços empreendidos por instituições que capacitam, o setor de extrativo mineral hoje, ainda tímido, deve crescer ainda mais no Tocantins.
  •  
Dados do PIB industrial divulgados pela Federação das Indústrias do Tocantins
INDÚSTRIAS PIB              2011 PIB 2012
Construção Civil

Serviços Industriais de Utilidade Pública

Indústria de Transformação

Extrativo Mineral

Total
R$ 2, 47 bi                                   
R$ 1,60 bi




R$ 731 mi


R$ 89 mi


R$ 4,896 bi
R$ 2,27 bi                     

R$ 1,94 bi




R$ 755 mi


R$ 109 mi


R$ 5,07 bi






Setor de extrativo mineral cresceu devido a implantação de grandes empreendimentos no Tocantins (Foto: Luciano Ribeiro/ATN)Setor de extrativo mineral cresceu devido a implantação de grandes empreendimentos no Tocantins
(Foto: Luciano Ribeiro/ATN)
 

Em 1 ano, HB20 e Onix mudam ranking de automóveis mais vendidos


Hatches ganham 'lugar ao sol', mas topo da lista muda pouco em 5 anos.
Toyota Etios, lançado também há 1 ano, ainda não decolou.

Luciana de Oliveira Do G1, em São Paulo

Mexer no ranking dos automóveis mais vendidos é tarefa dura: nos últimos 5 anos, os nomes no top 10 pouco mudaram. Com os primeiros lugares ocupados por modelos que passam de 100 mil unidades ao ano e incluem nessa conta as vendas de diferentes gerações, a briga tem esquentado do quinto posto para baixo (veja na arte abaixo). Foi ali que, em 1 ano, os hatches Hyundai HB20 e Chevrolet Onix conseguiram se "infiltrar". Já o Toyota Etios, lançado na mesma época, ainda está longe desse grupo.
VALE ESTE arte carros mais vendidos (Foto: Arte G1)
O último balanço fechado de 2013 pela federação das concessionárias, a Fenabrave, em setembro, aponta o HB20 e o Onix como o sétimo e o oitavo automóvel mais vendido, respectivamente. O acumulado até outubro será divulgado nesta sexta-feira (1º).
O HB20 chegou às lojas oficialmente em 10 de outubro do ano passado, mesmo mês em que o Onix e o Etios: um momento singular na história da indústria no Brasil, com 3 lançamentos simultâneos no segmento mais volumoso de todos, o dos hatches.
O modelo sul-coreano soma 112.525 unidades emplacadas desde o ano passado até setembro último, segundo a Fenabrave. O Onix vendeu 106.531 unidades até então.
Hoje sabemos que o consumidor não quer mais o carro pé de boi. Ele está disposto a pagar um pouco mais pelo status de um produto novo, por exemplo, pelo design e pelo conforto"
Milad Kalume Neto, da Jato Dynamics
Disposto a pagar mais
Para o consultor da Jato Dynamics do Brasil Milad Kalume Neto, ambos os modelos se aproveitam de um filão que amadureceu no mercado brasileiro: o de carros de entrada pelos quais o cliente concorda em pagar um pouco mais pelo que considera um diferencial.
"No mundo ideal, o cliente quer um carro bonito, barato e eficiente. Hoje sabemos que ele não quer mais o carro pé de boi [sem acessórios]. Ele está disposto a pagar um pouco mais pelo status de um produto novo, por exemplo, pelo design e pelo conforto", avalia.
Tanto HB20 quanto Onix se apoiaram em design e itens de série como chamarizes. Ambos se posicionaram na faixa dos R$ 30 mil –enquanto o Gol partia de R$ 28 mil na época-, com versões mais caras que superam os R$ 40 mil.
Chevrolet Agile no lançamento, em 2009 (Foto: Divulgação)Chevrolet Agile no lançamento, em 2009
(Foto: Divulgação)
Agile não se consolidou
O consultor lembra que a criação de modelos de entrada “superiores” ou “premium”, termo que as equipes de marketing gostam de usar, não é novidade. O Volkswagen Fox, lançado no fim de 2003, já fazia parte desse time.
“Ele não é o carro mais barato da Volkswagen, está acima do Gol”, explica Kalume Neto. O mesmo ocorreu com o Fiat Palio em relação ao então Uno Mille, que permanece como modelo mais barato da montadora italiana no Brasil.
Na Chevrolet, isso também não começou com o Onix, mas com o Agile, lançado em 2009, acima do Celta e do Corsa Hatch, mirando justamente o Fox. Na época do lançamento, a General Motors explicou que, enquanto o consumidor de classe média "tradicional" se diz satisfeito em ter um carro como o Corsa, as pessoas com perfil mais "jovem e moderno", antenadas com as novas tecnologias e as tendências da moda, por exemplo, buscavam um veículo com mais "estilo".
O Agile, porém, nunca se consolidou no top 10. “Acredito que o preço sempre esteve muito acima”, diz Kalume Neto. O modelo foi lançado com dois acabamentos, partindo de R$ 37,7 mil, enquanto o Fox começava em R$ 33,4 mil. Agora, perto do fim da carreira e recém-reestilizado, o hatch da GM é vendido em configuração única, a R$ 42,9 mil.
Etios tenta se adequar
A Toyota percebeu que o valor também poderia ser um entrave na história do Etios. Semanas antes de HB20 e Onix serem apresentados, ela anunciou que o modelo custaria a partir de R$ 35 mil, mas depois voltou atrás e definiu o preço inicial de R$ 30 mil no lançamento, quando o hatch da Hyundai já havia sido tabelado em R$ 32 mil na versão mais barata.
toyota etios painel (Foto: Divulgação)Painel do Etios era claro no lançamento, em 2012
(acima), e agora, é em preto (Foto: Divulgação)
No entanto, não bastou. Considerando apenas a versão hatch, as vendas do Etios somam menos da metade de cada um dos novos rivais: 31.291 unidades emplacadas de setembro de 2012 até o mês passado, também segundo a Fenabrave. É o 20º automóvel mais vendido no ano.
“Mas o Etios, pelos seus números, não pode ser desconsiderado”, observa Kalume Neto. “Acredito, porém, que o atraso na produção, de 2 anos, tenha feito diferença. E o fato de que foi pensado mais para o mercado da Índia do que para o brasileiro”, acrescenta, lembrando que, há poucos meses, a montadora japonesa anunciou melhorias, como painel em preto e mudança na iluminação do painel.
Paulo Roberto Garbossa, da ADK Consultoria, acredita que a Toyota tenha sido cautelosa. "Cada empresa tem uma estratégia. Uma delas pode ser entrar aos poucos [em um segmento]. Você vai adequando o modelo ao gosto do consumidor, que é o que vem sendo feito [com o Etios] agora. E a venda também depende de uma série de fatores. Às vezes o cliente compra pela marca."
"Dinossauros"
Para Kalume Neto, Hyundai e GM souberam aproveitar melhor o novo cliente dos carros de entrada e seus modelos se destacaram ao concorrer com “dinossauros” que ocupam há tempos os postos do ranking de mais vendidos, daí a rápida ascensão.
Comparando a lista dos modelos mais emplacados de janeiro a setembro deste ano, com igual período dos últimos 5 anos, a entrada de HB20 e Onix foi uma das mínimas mudanças.
Há 26 anos, o topo do ranking dos automóveis mais vendidos do Brasil é dominado pelo Gol, mas na conta dele entra tanto o modelo atual como a geração antiga, chamada de G4, que ainda é vendida. De 2009 para cá, além do Gol, outros carros se repetem nas listas, a maioria apoiada na tática de gerações diferentes que convivem: Fiat Uno (que conta as vendas do modelo atual e as do Mille), Fiat Palio (junta números do antigo, Fire, com os do Palio atual), Fiat Siena (reunindo o EL, mais simples e com a plataforma do antigo Palio, e o Grand Siena) e o Volkswagen Fox (contanto com a versão "aventureira" CrossFox). Se considerar, além de automóveis, os comerciais leves, a Fiat Strada também é veterana na relação.
Se tornaram regulares no top 10 o Ford Fiesta, que agora soma ao antigo Rocam o hatch New Fiesta, recém-nacionalizado, o Classic (antes somado ao Corsa Sedan), o Volkswagen Voyage e o Renault Sandero, que era o “caçula” na lista antes de HB20 e Onix. O hatch da montadora francesa foi lançado no fim de 2007, mas só gravou seu nome na lista anual dos mais vendidos a partir de 2011, apesar de ter aparecido algumas vezes desde 2008 em rankings mensais.
Hoje a montadora sabe que precisa dar para o consumidor o que ele quer: novidade. Não é só em carro, é em equipamento de tecnologia, eletrônico, vestuário..."
Paulo Roberto Garbossa, da ADK Consultoria
Quem saiu
HB20 e Onix praticamente ocuparam as "vagas" de dois outros modelos da Chevrolet, o Celta e o Corsa Sedan/Classic.
“Antes só havia novidade em um segmento um pouco mais alto. Hoje a montadora sabe que precisa dar para o consumidor o que ele quer: novidade. Não é só em carro, é em equipamento de tecnologia, eletrônico, vestuário...”, diz Garbossa, da ADK. “Por isso é que as marcas já consolidadas também passaram a mudar seus produtos, como a GM fez, lançando o Onix, a Volkswagen fará, com o Up!, e a Fiat, com o substituto do Mille."
Para o consultor, quem ganha com a "pulverização de modelos" é o consumidor. "Ele está com a faca e o queijo na mão. Tem [carro] para todos os gostos e bolsos". Sobre a briga das marcas, Garbossa lembra que a participação de mercado é mais equilibrada, porém, o volume cresceu muito nos últimos anos. "Dá para todo mundo pegar a fatia do bolo; o problema é que todo mundo quer a cereja", conclui.