segunda-feira, 30 de novembro de 2015


Deputado e ex jogador Jardel é afastado da Assembleia do RS


O Ministério Público do Rio Grande do Sul obteve na Justiça uma ordem de suspensão do exercício da função pública contra o deputado estadual Mário Jardel (PSD), válida por 180 dias. Uma investigação do MP encontrou uma série de irregularidades no mandato do ex-jogador de futebol do Grêmio e da seleção brasileira . Há indícios de crimes como concussão, peculato, falsidade documental, lavagem de dinheiro e organização criminosa. A operação foi batizada de Gol Contra. Na manhã desta segunda-feira, o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) cumpre mandados de busca e apreensão no gabinete de Jardel na Assembleia Legislativa, assim como nas residências dele, da mãe e do irmão. Também são alvo da operação as casas do chefe de gabinete do deputado, Roger Antônio Foresta, e das assessoras fantasmas Ana Bela Menezes Nunes e Flávia Nascimento Feitosa. As investigações do MP, coordenadas pelo Promotor de Justiça Flávio Duarte, concluíram que existe uma estrutura criminosa instalada na Assembleia Legislativa do Rio Grande do Sul, tendo Jardel como maior beneficiário. O advogado Christian Vontobel Miller, que é assessor do parlamentar, seria um dos mentores do esquema. A lista de irregularidades é grande. A investigação do MP indicou que o deputado exigia uma parte dos salários de todos os assessores nomeados em seu gabinete, para aumentar a sua própria renda. A quantia retida de cada um era de, no mínimo, R$ 3 mil. (Zero Hora)

Chega de embromação, Cunha: impeachment já!


Repito o que disse no twitter: o Brasil só se livrará da crise com a renúncia de Dilma, Cunha e Renan Calheiros. Ninguém merece essa gente. Dos poderes, ao que parece, só resta a Justiça (que geralmente tarda, mas não falha, sei lá!). Que bosta de país:


Depois de ser ligado a um suposto pagamento de propina do banco de investimentos BTG Pactual, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), afirmou que "provavelmente" deve adiar o anúncio sobre a abertura ou não de um processo de impeachment contra a presidente Dilma Rousseff. Na semana passada, ele estipulou esta segunda-feira como prazo para se manifestar sobre os sete pedidos de afastamento da petista ainda pendentes. Cunha relacionou o surgimento de uma anotação que indica pagamento de 45 milhões de reais em propina a ele e a peemedebistas aos processos contra Dilma.

"Esse assunto tem de ficar muito claro para não confundir a minha decisão com ele. Eu acho até que o fato de ter anunciado que eu ia decidir hoje pode ter motivado isso aqui. É importante a gente aguardar. Então, provavelmente, eu não decidirei hoje em função disso", afirmou o presidente da Câmara. Ele ponderou, no entanto, que a "intenção é decidir". Pessoas próximas a Cunha falam que o episódio causou irritação no parlamentar e pode refletir em sua decisão sobre os processos.

O documento com anotações de propina foi encontrado por agentes da Polícia Federal na casa do chefe de gabinete do senador Delcídio do Amaral (PT-MS), Diogo Ferreira. As anotações indicam que o BTG Pactual teria pago 45 milhões de reais a Cunha e a outros parlamentares do PMDB em troca de emenda a uma medida provisória, para permitir o uso de créditos fiscais da massa falida do banco Bamerindus, de propriedade do BTG.

Nesta segunda-feira, o presidente da Câmara convocou uma coletiva de imprensa para "reagir com bastante indignação" à documentação encontrada. Cunha não escondeu a irritação com o episódio, classificado por ele como uma "armação" e uma "armadilha", e disse que não conhece o assessor Diogo Ferreira. Ele, no entanto, admitiu conhecer André Esteves, mas ponderou ter se reunido com diversos outros presidentes de bancos, entre eles Roberto Setúbal, do Itaú, e Luiz Carlos Trabuco, do Bradesco.

O peemedebista apresentou uma série de documentos para tentar sustentar a tese de que a sua emenda não beneficiaria o banco de André Esteves, preso na semana passada, na 21ª fase da Operação Lava Jato. Segundo ele, a emenda apresentada à medida provisória 608, de 2013, prejudicaria os interesses do banco BTG Pactual, que havia adquirido a massa falida do Banco Bamerindus, e foi rejeitada pela comissão. Alteração de conteúdo semelhante, no entanto, foi incorporada à MP pelo relator à época, o senador Cássio Cunha Lima (PSDB-PB).

"Não tenho a menor dúvida de que ocorreu uma armação. O fato é absolutamente inexistente. A emenda que eu fiz prejudicou esse interesse que estão falando. Não havia o que comemorar se o que foi aprovado é contrário aos interesses dos bancos em liquidação", afirmou Eduardo Cunha. (Veja.com). 
BLOG ORLANDO TAMBOSI

Internet é opção para expandir negócio gastando pouco


Além de custar menos que abrir uma loja física, 'filial' virtual não tem limitações geográficas e permite venda para todo o Brasil; confira um passo a passo para começar a vender online

por
Gustavo Mause, especial para o iG
Publicada em TRIBUNA DA BAHIA
Foto: Divulgação
Mesmo tendo potencial, muitos empreendedores não expandem seus negócios por falta de capital para abrir filiais. Começar a vender pela internet pode ser a chance de crescer sem as despesas necessárias para a manutenção de lojas físicas.
Hoje, a viabilização do e-commerce para os pequenos empreendedores é praticamente inexistente, como explica o consultor do Sebrae-SP, Gustavo Carrer:
“Há alguns anos exigia-se um investimento inicial mais elevado para utilizar a internet como canal de vendas, com formatação da loja e contratos de operação. Esse custo caiu aceleradamente nos últimos dois, três anos. Em alguns casos, a plataforma de comercialização tem custo zero. Existem operações que cobram um comissionamento: você não paga para usar a plataforma, não tem gastos com operação inicial ou com mensalidade, apenas paga uma comissão sobre as transações.”
O tempo para retomar o investimento pode ser outra vantagem do e-commerce. “Para abrir uma filial de uma loja física você precisa gastar mais e existe um prazo maior para começar a lucrar. Alcançar o “breakeven” (ponto de equilíbrio) e ver o retorno do seu investimento costuma ser mais demorado”, afirma Gustavo.
O consultor diz que existem riscos em ambas as operações, mas destaca que os negócios online dependem de menos fatores externos: “Se você tem uma loja, um concorrente pode abrir outra na esquina. Ou então podem construir um shopping nos arredores. Podem mudar o sentido da rua ou transferir um ponto de ônibus. Tudo isso afetará o faturamento.” 
De acordo com Gustavo, a internet torna possível que o empreendedor alcance um público mais numeroso e diversificado. As barreiras geográficas para quem tem um ponto físico são inexistentes no mundo virtual.
“Se você tem um ponto na (região paulistana da) Lapa, vai vender para quem mora no bairro e para quem transita por lá. Com um site, qualquer pessoa, de qualquer lugar, pode comprar. A internet é praticamente ilimitada. O limite acaba sendo definido pela sua capacidade de fazer com que a loja e os produtos cheguem ao conhecimento do público”, aponta, reforçando a necessidade de divulgação adequeada: “A montagem do e-commerce não é mais uma barreira relevante. Levar as pessoas até a sua loja é que exige investimento, seja através de ferramentas de marketing digital ou pela mídia convencional.”
Guilherme Lerner, diretor de Estratégia Digital e Inovação na ESV Digital, também destaca a importância de um trabalho eficiente de divulgação para que o e-commerce ganhe visibilidade e consiga crescer:
“É necessário elaborar uma abordagem multicanal para atingir o seu público, utilizando buscadores, redes de display, redes sociais e e-mail marketing, entre outras ferramentas. Saber quem é seu cliente, onde ele está e o que espera é essencial para abordá-lo com uma comunicação relevante, no momento correto. Se ele está pesquisando no Google, por exemplo, vale a pena fazer uma campanha com palavras-chave associadas ao produto de seu e-commerce.”
Para ajudar quem pretende ingressar no mundo das vendas virtuais, o especialista preparou um passo a passo para abrir o seu e-commerce.

Dilma diz que ficou perplexa com prisão de Delcídio do Amaral


Sobre o banqueiro André Esteves, Dilma disse que o encontrou apenas em eventos, e que não mantinha ?relações sistemáticas? com ele

por
Agência Brasil
Publicada  TRIBUNA DA BAHIA
A presidenta Dilma Rousseff disse hoje (30) que ficou “surpresa” e “perplexa” com a prisão do senador do PT e líder do governo, Delcídio do Amaral, no último dia 25, por suspeita de estar obstruindo investigações da Operação Lava Jato, da Polícia Federal. Dilma afirmou ainda que não teme uma eventual delação premiada do senador.
As afirmações foram feitas em entrevista à imprensa, depois de participar da 2ª Sessão de Trabalho da 21ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro da Organização das Nações Unidas sobre Mudança do Clima (COP21), em Paris.
“Obviamente que fiquei bastante surpresa com a prisão do senador Delcídio. Não tenho nenhum temor sobre a delação do senador Delcídio. Até falei ali, para vocês, que fiquei perplexa porque jamais esperei que isso pudesse acontecer com o senador”, disse Dilma, ao ser questionada por jornalistas sobre como recebeu a notícia da prisão do líder do governo, e se teria preocupação com uma eventual delação premiada feita por ele.
A prisão de Delcídio foi autorizada pelo relator do processo da Operação Lava Jato no Supremo Tribunal Federal, ministro Teori Zavascki. Também foi preso o banqueiro André Esteves, dono do banco BTG Pactual.
A presidenta Dilma também negou que tenha indicado Nestor Cerveró para a diretoria da Petrobras. “Não indiquei Nestor Cerveró para a diretoria da Petrobras. Acredito que o senador Delcidio se equivoca. Não é da minha indicação, nem da minha relação. Isso é público e notório. Ele não foi antes, durante, nem depois, da minha relação”, afirmou.
Dilma também negou que soubesse das implicações negativas que teria a compra da refinaria de Pasadena, nos Estados Unidos, ao contrário do que teria informado Nestor Cerveró à Polícia Federal. “Eles vêm falando isso, também, durante a CPI. É uma forma de tentar confundir as coisas. Não só eu não sabia de tudo, quando detectamos que ele não tinha dado todos os elementos para nós, eu fui uma pessoa que insistiu para ele sair. Acho que, por isso, ele podia não gostar muito de mim”, disse.
Sobre o banqueiro André Esteves, Dilma disse que o encontrou apenas em eventos, e que não mantinha “relações sistemáticas” com ele.
Em relação às dificuldades pelas quais seu governo passa junto ao Legislativo, e aos pedidos de impeachment que estão sob a análise do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), Dilma disse se tratar de um tipo de ameaça que há tempos vem sendo feita a seu governo, “inclusive com o endosso da oposição”.
“Nada disso impediu que negociássemos ou que tivéssemos os vetos rejeitados. Se ele [Cunha] decidir [pelo impeachment], o governo vai protestar e tomar todas as medidas”, acrescentou. Sobre a aprovação do orçamento do governo federal, Dilma disse que a questão será avaliada pelo governo, e que tomará as medidas necessárias para não comprometer a vida da população brasileira. “Não vou dizer o que vamos fazer porque estamos em processo de avaliação. Acreditamos que o Senado e a Câmara vão aprovar as medidas que preveem as mudanças das metas, porque é algo que afeta o Senado, a Câmara e o Judiciário”, disse.

Wagner articula com base aliada aprovação da meta fiscal de 2015


Wagner disparou telefonemas para o presidente do Congresso, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), lideranças e parlamentares da base aliada

por
Estadão Conteúdo
Publicada em TRIBUNA DA BAHIA
Com a pressão do corte das despesas do Orçamento, o ministro da Casa Civil, Jaques Wagner, passou o dia de hoje em articulações para garantir a aprovação do projeto de lei que altera a meta fiscal deste ano até a próxima quarta-feira, 2.
Wagner disparou telefonemas para o presidente do Congresso, senador Renan Calheiros (PMDB-AL), lideranças e parlamentares da base aliada. Como antes da apreciação do projeto que reduz a meta fiscal será preciso apreciar quatro vetos, a articulação política avalia que a votação, que começa nesta terça-feira, 1, só estará concluída na quarta-feira.
O início da sessão do Congresso está marcada para as 19 horas desta terça. Mas, se não for possível concluir os trabalhos, Renan deve convocar uma nova reunião para o dia seguinte. O governo considera que a paralisação da máquina administrativa, com o corte de programas e investimentos de interesse dos parlamentares, acabará contribuindo para pressionar o Congresso pela aprovação do projeto e “virar essa página do ajuste fiscal”.

Portaria da Justiça diz que, por falta de dinheiro, eleição será manual


Desde 2000, todos os brasileiros votam em urnas eletrônicas

por
Luana Lourenço - Repórter da Agência Brasil
Publicada em  TRIBUNA DA BAHIA
Por falta de recursos, as eleições municipais de 2016 serão manuais e não com voto eletrônico. A informação de que o contingenciamento de gastos impedirá a realização das eleições por meio eletrônico foi publicada hoje (30/11) no Diário Oficial da União. Desde 2000, todos os brasileiros votam em urnas eletrônicas.
“O contingenciamento imposto à Justiça Eleitoral inviabilizará as eleições de 2016 por meio eletrônico”, diz o texto da Portaria Conjunta número 3, assinada pelos presidentes do Supremo Tribunal Federal, Ricardo Lewandosvki; do Tribunal Superior Eleitoral, Dias Toffoli; do Tribunal Superior do Trabalho, Antonio José de Barros Levenhagen; do Superior Tribunal Militar, William de Oliveira Barros; do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios, Getúlio de Moraes Olveira; e pela presidenta em exercício do Superior Tribunal de Justiça, Laurita Vaz.
De acordo com a portaria, os órgãos do Poder Judiciário da União sofreram contingenciamento de R$ 1,74 bilhão.
O TSE, responsável pela organização das eleições no país, vai se manifestar, por meio de nota, ainda hoje.

Notificações de casos de AIDS crescem 15% em Itabuna


Um total de 1.356 pessoas com sorologia positiva está em tratamento contra o HIV/AIDS no Centro de Referência em Prevenção, Assistência e Tratamento – Cepart, da Secretaria Municipal de Saúde. Dessas, 774 são acompanhadas por terem contraído AIDS enquanto outras 582 pela contaminação com o vírus HIV. Os dados foram apresentados hoje na solenidade de abertura da campanha “Dezembro Vermelho”, no Tarik Fontes Plaza Hotel, contando com a participação de agentes de comunitários e profissionais de saúde e representantes da Secretaria de Saúde de Itabuna. A coordenadora do Cepart e da campanha, Suse Mayre Martins Moreira Azevedo, informou que houve crescimento de 15% na notificação de casos da HIV/AIDS neste ano se comparado com 2014. Nesta terça-feira, dia 1º, Dia Mundial de Luta contra a AIDS, será realizada uma Feira de Saúde com realização de Teste Rápido para HIV, palestras e distribuição de material informativo e preservativos, entre 9 e 16 horas na Praça Olynto Leone, centro da cidade. No lançamento da campanha foi apresentada à comunidade as atividades desenvolvidas pelo CEPART e grupos de apoio á informação e prevenção da doença. A campanha “Dezembro Vermelho” tem o intuito de fomentar a prevenção e diagnóstico da doença durante todo o mês, com ações que serão desenvolvidas pela equipe de enfermeiros, técnicos e profissionais de saúde do município. A programação inclui ainda Pit-Stop da Prevenção, quando equipes técnicas da Secretaria Municipal de Saúde vão atuar em cruzamentos da cidade (Juracy Magalhães, shopping, Centro Comercial, FTC, Cinquentenário e São Caetano) na distribuição de material informativo e preservativos. Neste ano a meta do é realizar 300 testes rápidos, o que representa 30% mais, já que no ano passado a meta estipulada pela equipe foi ultrapassada com a execução de mais de 200 testes rápidos.

Promotora de Justiça do caso Telexfree é encontrada morta


A promotora Nicole Gonzales Colombo Arnoldi foi encontrada morta no inicio da noite deste domingo (29) em seu apartamento, localizado no Condomínio Florença, próximo a Uninorte e ao Tribunal de Justiça do Acre, em Rio Branco. Natural da cidade de Araraquara, no interior de São Paulo, Nicole, de 35 anos, ingressou na carreira de promotora no MP do Acre em dezembro de 2009 e foi uma das responsáveis pelo bloqueio das contas e encerramento das atividades da Telexfree no Brasil, caso que teve repercussão internacional. Atualmente, ela era responsável pela promotoria do município de Bujari. A policia militar foi acionada por vizinhos quando um disparo foi ouvido no apartamento da vitima. De acordo com informações, Nicole foi encontrada com a marca de um tiro na cabeça. A polícia técnica acredita que a Promotora tenha cometido suicídio. (Acre24h)

Governo recebe como um recado menção de Delcídio a Dilma


O governo recebeu como um recado a citação que o senador Delcídio do Amaral (PT-MS) fez de Dilma Rousseff no depoimento que prestou na semana passada na Polícia Federal. Ele disse que ela foi a responsável pela indicação de Nestor Cerveró para o cargo de diretor da área Internacional da Petrobras. O governo acha que Delcídio pode ser o "fio desencapado" que os investigadores da Operação Lava Jato tanto buscavam e que o universo político tanto temia. Ou seja, aquele personagem capaz de, com suas revelações, envolver pessoas de partidos da situação e até da oposição em situações constrangedoras. O depoimento do senador foi interrompido na sexta-feira porque, depois de quatro horas, a polícia ainda começaria a esmiuçar as dezenas de citações que ele fez em conversas gravadas por Bernardo Cerveró, filho do ex-diretor da Petrobras. Delcídio se disse exausto e sem condições de continuar. As conversas selecionadas das gravações de Bernardo somam quase duas horas. (Mônica Bergamo)

Projeto da Biofábrica é premiado em congresso internacional


Protocolo científico criado por técnicos do Instituto Biofábrica de Cacau foi premiado entre os seis melhores trabalhos do 16º Congresso Brasileiro de Mandioca e 1º Congresso Latino-Americano e Caribenho de Mandioca, realizado em Foz do Iguaçu, Paraná, de 9 a 13 de novembro. Produção de Mudas Micropropagadas de Mandioca em Larga Escala: uma Inovação Tecnológica é o título do trabalho elaborado por Nicolle Moreira de Almeida, Roberto Gama Pacheco Júnior, Jackson de Oliveira Cézar, Hepitágoras Aparecido Gonçalves e Antonio da Silva Souza. Os procedimentos utilizados para a realização do processo de produção de mudas de mandioca em larga escala comercial apresentam elevados padrões técnicos, entre eles fidelidade genética e alta qualidade fitossanitária. O protocolo para a produção de estacas de mandioca foi adaptado pela equipe da Biofábrica de Cacau, e se destaca dos demais estabelecidos e descritos na literatura até hoje. Para o diretor geral da instituição, Henrique Almeida, o reconhecimento da excelência técnica da Biofábrica de Cacau é muito importante. “Mesmo vivendo uma fase difícil, com redução drástica dos recursos repassados pelo Governo do Estado, nós continuamos focados na pesquisa e eficácia do nosso trabalho, para manter a qualidade dos serviços prestados aos produtores de cacau, agricultura familiar e demais públicos atendidos”, ressalva. A metodologia foi reconhecida pela Embrapa como inovadora. Trata-se de uma alternativa para a multiplicação rápida de mudas, com produção em larga escala, permitindo a formação de cultivos altamente produtivos e com qualidade genética e fitossanitária, para atender à demanda do Projeto Reniva, destinado ao atendimento da agricultura familiar.

Ceplac reúne cientistas para avaliação anual das pesquisas


A Ceplac realizou no período de 23 a 27 de novembro, uma reunião com pesquisadores e extensionistas para a avaliação anual das pesquisas do Centro de Pesquisas do Cacau (Cepec), no âmbito da Superintendência de Desenvolvimento da Bahia (Sueba). O encontro foi marcado pela apresentação de resultados relevantes e amplo debate entre os participantes a respeito da cadeia produtiva do cacau, pecuária, seringueira e outras culturas da diversificação agroeconômica regional. Entre os trabalhos mereceu destaque a apresentação de novos clones potenciais para a lavoura do cacau com resistência a vassoura de bruxa e alta produção, a realização de pesquisas preventivas visando à resistência a monilíase, a importação de novos clones resistentes a esta doença, a identificação de novos fungos antagônicos para doenças de importância econômica do cacau e da seringueira, os estudo sobre pós-colheita envolvendo clones de cacau, o aumento da produtividade na pecuária pelo emprego de novos métodos de manejo das pastagens e avaliação de clones de seringueira em diferentes agrossistemas. Também foram discutidas tecnologias sobre o manejo integrado das novas pragas do cacaueiro, estudos sobre seqüestro de carbono, abordagem científica no manejo sustentável da cabruca, estudos avançados sobre biologia molecular, embriogênese somática, e screening de germoplasma para a resistência de plantas às principais doenças do cacaueiro. Novas pesquisas foram propostas para o manejo intensivo do cacaueiro com irrigação e ênfase na mecanização. De acordo com o chefe do Serviço de Pesquisas do Cepec e coordenador do evento, José Marques Pereira, o diferencial destas pesquisas é que elas são definidas a partir das demandas apresentadas pelos produtores e extensionistas, os quais se encarregam de levar os resultados ao público alvo na medida em que novas tecnologias são geradas. Um exemplo disso são os resultados obtidos com a cochonilha rosada, praga quarentenária que após dois anos de ocorrência em plantios de cacau do Recôncavo Baiano já existem resultados de pesquisa consistentes para o enfrentamento do problema e logo serão difundidos para os produtores. Na avaliação da pesquisa procura-se compatibilizar os projetos em andamento com as diretrizes estabelecidas a partir das demandas dos produtores. “Observamos se é necessário mudar rumos, visando seu aperfeiçoamento, e difundimos aquilo que irá beneficiar o produtor através da inovação tecnológica”, afirma José Marques. Segundo o chefe do Centro de Pesquisa do Cacau, Adonias de Castro Virgens Filho, o encontro se notabilizou pelos grandes avanços tecnológicos nas áreas de Genética, Fitopatologia, Nutrição de Plantas, pós-colheita, Recursos Ambientais e Tecnologia de Alimentos. “Esses resultados serão sintetizados em um documento denominado Informe de Pesquisa e será disponibilizado à sociedade, especialmente a técnicos e produtores”. Para Adonias, apesar de a Ceplac não contratar novos pesquisadores há 28 anos, os trabalhos de pesquisa vêm atendendo à demanda dos agricultores. “Foram apresentados cerca de 70 projetos envolvendo mais de 200 ações de pesquisa no campo e em laboratório, a cargo de 38 pesquisadores e suas equipes”.

OAB suspende preventivamente advogado que agrediu advogada


Em julgamento realizado na tarde desta segunda-feira (30), o Tribunal de Ética e Disciplina (TED) da OAB da Bahia suspendeu preventivamente por 90 dias, prazo máximo permitido, o advogado Marconi de Souza Reis, que, durante uma audiência de conciliação no Juizado Cível de Lauro de Freitas, na Região Metropolitana de Salvador, no último dia 27 de outubro, agrediu verbalmente a advogada Louise Lima Andrade, que atuava como conciliadora, por causa da roupa que vestia. No áudio da audiência é possível ouvir Marconi dizer: “Repare, dali eu estava vendo sua calcinha. Da próxima vez, venha com uma roupa mais composta. Cachorra”. A Comissão de Proteção aos Direitos da Mulher da OAB da Bahia acompanhou o julgamento e divulgou nota de repúdio à agressão verbal sofrida pela advogada.

Delcídio, uma testemunha nas entranhas do corrupto poder petista.


Se alguém pode, enfim, derrubar de vez o corrupto governo petista e, por tabela, erradicar o nefasto partido totalitário, esse alguém é o senador Delcídio Amaral, que conhece as entranhas do lulopetismo como poucos. De fato, se ele recorrer à delação premiada, a podre república lulista virá abaixo:


Para entender a magnitude da prisão, na semana passada, de Delcídio do Amaral, senador petista e líder do governo, é preciso até um pouco de imaginação. Pois imaginemos que nenhum empresário preso na Operação Lava-Jato tivesse até hoje quebrado o silêncio nas delações premiadas - ou que nenhum político estivesse na lista que a Procuradoria-Geral da República mandou para o Supremo Tribunal Federal (STF). Mesmo no cenário irreal acima, a prisão de Delcídio e a possibilidade de ele recorrer à delação premiada - uma vez que foi abandonado pelo PT, ignorado por Dilma e ofendido por Lula - terão consequências devastadoras para a estabilidade do já cambaleante regime lulopetista. Delcídio do Amaral testemunhou os momentos mais dramáticos dos escândalos do governo do ex-­presidente. Viveu e participou desses mesmos momentos no governo Dilma. Delcídio não é uma testemunha. Ele é "a" testemunha - e a melhor oportunidade oferecida à Justiça até agora de elucidar cada ação da entidade criminosa que, nas palavras do ministro Celso de Mello, decano do STF, "se instalou no coração da administração pública".

Terminada uma reunião no gabinete de Dilma Rousseff, em junho passado, Delcídio chamou-a de lado e disse a seguinte frase: "Presidente, a prisão (de Marcelo Odebrecht) também é um problema seu, porque a Odebrecht pagou no exterior pelos serviços prestados por João Santana à sua campanha". Delcídio contrariou o diagnóstico de Aloizio Mercadante, que ainda chefiava a Casa Civil, segundo quem a prisão de Marcelo Odebrecht "era problema do Lula". Ao deixar o Palácio do Planalto, Delcídio definiu Dilma a um colega de partido como "autista", espantado que ficou com o aparente desconhecimento da presidente sobre o umbilical envolvimento financeiro do PT com as empreiteiras implicadas na Lava-Jato. Na reunião, Dilma dissera aos presentes que as repercussões da operação nada mais eram do que uma campanha para "criminalizar" as empreiteiras e inviabilizar seu pacote de investimento e concessões na área de infraestrutura. "A Dilma não sabe o que é passar o chapéu porque passaram o chapéu por ela", concluiu Delcídio.

Passar o chapéu é bater na porta das empreiteiras e pedir dinheiro para campanhas políticas. Quando feitas dentro da lei, as doações não deixam manchas no chapéu. Mas, quando fruto de propinas como as obtidas nos bilionários negócios com a Petrobras, a encrenca, mesmo que seja ignorada por sua beneficiária, não vai embora facilmente. Menos de um mês após a reunião no Planalto, a Polícia Federal divulgou as explosivas anotações com que Marcelo Odebrecht incentivava seus advogados a encontrar uma maneira de fazer chegar a Dilma a informação de que as investigações sobre as contas da empreiteira na Suíça bateriam nela.

Poucos políticos tiveram mais acesso do que Delcídio aos bastidores do mensalão e do petrolão. Poucos políticos conhecem tão bem como ele as entranhas da Petrobras, onde trabalhou e fez amigos. Poucos políticos têm tanto trânsito como ele nos gabinetes mais poderosos da política e da iniciativa privada. Até ser preso, Delcídio atuava como bombeiro, tentando reduzir os focos de tensão existentes para Lula, Dilma e o PT. Na condição de encarcerado, é uma testemunha decisiva. A possibilidade de ele colaborar com os investigadores está sob avaliação de sua família. (Veja.com). 
BLOG ORLANDO TAMBOSI

O relativismo dos picaretas


Os petistas são relativistas ferozes não só em termos de ética, mas em termos lógico-epistemológicos. Para eles, pouco importa a correspondência entre declarações e fatos. O que vale são as declarações, as versões, as opiniões. Eis o problema: o mundo real não existe, é apenas uma questão de interpretação - seja na política, na economia ou nas ciências. Denunciei isto dentro da universidade por quase duas décadas. Em vão. O grande legado universitário ao lulopetismo foi mesmo o relativismo, em todas as suas variantes, principalmente aquela que desconsidera o conhecimento - científico em particular. Adeus, "ciências humanas".

Quando os fatos abundam contra os petistas (ou, melhor, lulopetistas), haja recurso às falácias. Não há argumentos, tudo é relativo a quem diz, ou ao grupo, ou ao partido etc. Sirva de exemplo o péssimo raciocínio recorrente: sempre houve corrupção, com os malditos empresários, ditos capitalistas, corrompendo os políticos. Por isso é necessário proibir o financiamento privado às campanhas, como se ali estivesse o problema. Portanto, o financiamento estatal (ah, sempre o Estado) seria a redenção. Resumindo: o PT foi "corrompido" pelo capitalismo, não porque o partido é corrupto.

Esse tipo de raciocínio falacioso esquece o essencial: o problema do lulopetismo não está no financiamento privado, mas na canalização oficial do dinheiro da corrupção, nos órgãos de Estado que domina, para o partido e para seus chefes, hoje milionários. Questão de método. Não se trata de dinheiro privado, mas dos cofres públicos utilizados em benefício próprio. Esta é a nefasta novidade petista: dilapidação do Estado, supostamente em nome de um partido ou "causa" (ao velho estilo comunista). Roubalheira, simplesmente, praticada por máfias que nada devem ao rapineiro bolivarianismo sul-americano.

Quando, nas escolas de jornalismo, se ensina que "a verdade é sempre relativa", é este o desfecho. 

Disse em sala de aula e repito: relativismo é coisa de picaretas. Valha o exemplo de 13 anos de petismo no poder. 
BLOG ORLANDO TAMBOSI

Minha Casa, Meu B.O: mais de 300 inquéritos policiais.


O esquemão é igual ao investigado na Operação Lava Jato. Afinal, estamos na Era petista:


Nos moldes de esquema de corrupção revelado pela Operação Lava-Jato, o maior programa de habitação popular do país, o Minha Casa Minha Vida, tem sofrido com organizações criminosas de empreiteiras de médio porte que se associam em cartéis para burlar concorrências, superfaturar obras, repassar propinas a agentes públicos e irrigar campanhas políticas com desvio de verba pública. A Polícia Federal, o Ministério Público Federal e a Controladoria-Geral da União já descobriram quatro casos como esse em três estados. As fraudes ao programa, cujo orçamento já atingiu R$ 278 bilhões, são tantas que provocaram a abertura de mais de 300 ações, de acordo com um levantamento feito pelo grupo de trabalho do MPF dedicado ao tema. As denúncias envolvem ainda irregularidades na escolha de beneficiários, custo excessivo, baixa qualidade de casas, repasses de dinheiro público sem o cumprimento dos serviços ou mesmo sem garantia.

— Vemos que o programa abriu portas para a corrupção e o gasto desenfreado de dinheiro público — afirma Edilson Vitorelli, procurador-chefe do grupo de trabalho sobre o Minha Casa.
O GLOBO identificou o enredo no Rio Grande do Sul, no Acre e em Minas Gerais, estados onde projetos investigados somam mais de 4 mil unidades.

Quando os envelopes de uma licitação para construção de 336 casas na cidade gaúcha de Novo Hamburgo foram abertos, em agosto de 2012, os promotores do Ministério Público já sabiam quem ganharia. Nos meses que antecederam a licitação, acompanharam a negociação por escuta telefônica de seis empreiteiros que formavam cartel e organizavam a fraude da concorrência pública. Um deles afirmava estar disposto a “comprar a noiva” — o que, segundo os investigadores, significava pagar entre R$ 60 mil e R$ 80 mil para outras empresas desistirem do negócio de R$ 18 milhões. Outros comemoravam o fato de o preço por metro quadrado estar acima da média, e acertavam que o valor ofertado seria apenas cerca de R$ 1 mil abaixo do teto estabelecido.

Naquele momento, o então prefeito era candidato à reeleição. O empresário “vencedor” da concorrência entregou R$ 300 mil à então diretora de Licitações da prefeitura, que garantiria as condições favoráveis do contrato em troca do repasse para a campanha municipal. A investigação virou processo, ainda sem julgamento.

— É exatamente a história da Lava-Jato, só que em menor escala. São empresas de poderio econômico relevante que disputam contratos públicos em negociações com políticos locais. Mas o modus operandi é o mesmo de empresas multinacionais em contratos bilionários com a União — afirma o promotor Ricardo Herbstrith, responsável pela investigação em Novo Hamburgo.
As reclamações mais triviais entre os beneficiários do programa conduziram os investigadores do MPF, da PF e da CGU a um esquema milionário de desvio de dinheiro público envolvendo cartel de empresários e vereadores no leste de Minas.

CABOS ELEITORAIS BENEFICIADOS

Os moradores das 400 casas nos municípios mineiros de Durandé e Martins Soares relatavam que o material de suas residências era péssimo. O fato chamou a atenção dos procuradores, que acabaram descobrindo que a entidade responsável pelas moradias operava em conluio com um cartel de empresas da construção civil, que forneciam os piores produtos a um custo pelo menos 10% maior do que os vistos no mercado. Os beneficiários eram escolhidos entre eleitores e cabos eleitorais de dois vereadores, que ignoravam os critérios de vulnerabilidade social estabelecidos pelo Ministério das Cidades, que gerencia o programa. A quadrilha ainda cobrava uma taxa ilegal de dois salários mínimos como se fossem custos do financiamento.

— Verificamos que o programa foi usado com finalidade política e para enriquecimento ilícito. Não provamos que os funcionários da Caixa tiveram conduta dolosa, mas houve negligência na fiscalização de quem recebia as casas, do serviço feito. A Caixa não exigiu nem nota fiscal — afirmou o procurador Lucas Gualtieri, um dos responsáveis pela Operação Tyrannos, que prendeu, na semana passada, os dois vereadores e mais 11 pessoas envolvidas no esquema; no total, o grupo obteve R$ 56 milhões em contratos em 25 municípios, agora sob investigação.

Ainda em Minas, outra investigação revelou o cartel de três empreiteiras que atuava em obras do programa em Lavras. A quadrilha era formada por empresários da construção civil e servidores públicos municipais, além de funcionários da Caixa. As investigações, que transcorrem em segredo de Justiça, já indicaram que os suspeitos direcionavam licitações e superfaturaram as obras.

No Acre, há alguns dias, a Justiça Federal aceitou a denúncia contra 16 empreiteiros e três funcionários públicos — entre eles o então secretário estadual de Habitação — por fraude e cartel na construção de três mil casas em bairro de Rio Branco batizado de Cidade do Povo.

— A investigação mostra que os servidores chamaram as empresas que preferiam e repartiram a obra. Diziam que era importante para a eleição (do governador Tião Viana) — afirma o procurador Marino Lucianelli Neto, do Acre, que ainda investiga se houve repasses de propina a políticos ou campanhas eleitorais; o governo do Acre não respondeu ao GLOBO.

Em nota, o Ministério das Cidades afirmou desconhecer o teor das denúncias e disse que “a habilitação dos candidatos é feita pela Caixa através do Sitah (Sistema de Tratamento de Dados Habitacionais), confrontando os dados com os registros no CadÚnico, FGTS, Rais”, entre outros e sem interferência humana na confrontação desses sistemas”. Quanto à má qualidade dos imóveis, o ministério afirma que devem ser acionados os “contratantes — instituições financeiras oficiais —, a quem caberá adotar providências de reparação”. Já a Caixa informou que não cabe ao banco, mas, sim, ao “responsável técnico da entidade acompanhar e atestar a utilização dos materiais conforme projeto, memorial descritivo e demais peças de engenharia apresentadas.” Afirmou também que segue o estabelecido pelo ministério na escolha de beneficiários e que colabora com a PF e o MPF nas investigações.

CORTE DE VERBA ATRASA PROGRAMA

Se o Bolsa Família foi o símbolo do governo Lula, a presidente Dilma Rousseff tentou fazer do Minha Casa Minha Vida a vitrine de sua gestão. Em seis anos de programa, o governo entregou 2,8 milhões de casas, a um custo de mais de R$ 270 bilhões, segundo o Ministério das Cidades. O programa, no entanto, é muito mais caro do que a redistribuição de renda feita pelo antecessor da presidente, e sofre com cortes diante da recessão econômica.
O ritmo das obras tem caído. Embora ainda falte entregar mais de 1 milhão de casas para que a fase dois do programa seja cumprida, Dilma já lançou a fase três. Isso mostra que, mesmo sofrendo com cortes, o programa é uma aposta para melhorar a popularidade de Dilma.

De acordo com a agenda oficial, em 2015 Dilma fez 18 viagens — quase metade de seus eventos externos — para participar de inaugurações de unidades habitacionais. Em uma delas, em outubro, ela tentou minimizar os cortes:

— Estamos passando por um período de dificuldades que faz com que tenhamos de fazer esforços, de apertar um pouco o cinto, mas garanto: não vamos deixar de garantir o Minha Casa Minha Vida. (O Globo). 
BLOG ORLANDO TAMBOSI

Manifestantes pedem o fim da violência contra as mulheres no RS


Foi realizada na tarde deste domingo a 5ª edição da Marcha das Vadias.
O tema era o "fim da violência sexual e reprodutiva contra mulheres".

Do G1 RS
Manifestantes marcharam neste domingo na Redenção, em Porto Alegre (Foto: Davi Dietrich/Arquivo Pessoal)Manifestantes marcharam neste domingo na Redenção, em Porto Alegre (Foto: Davi Dietrich/Arquivo Pessoal)
Foi realizada, na tarde deste domingo (29), no parque Redenção, em Porto Alegre a 5ª edição da marcha das vadias. O ato deste ano teve como tema o “fim da violência sexual e reprodutiva contra mulheres”. De acordo com a Brigada Militar, 500 pessoas participaram do ato.
Concentração começou por volta das 15h no Monumento ao Expedicionário (Foto: Davi Dietrich/Arquivo Pessoal)Concentração começou por volta das 15h em Porto Alegre (Foto: Davi Dietrich/Arquivo Pessoal)
Desde as 15h, manifestantes se reuniram ao redor do Monumento ao Expedicionário, local conhecido como Arcos da Redenção, onde foi realizada a pintura de corpos e concentração antes do início da marcha.
Com cartazes, manifestantes protestaram contra violência contra mulher (Foto: Davi Dietrich/Arquivo Pessoal)Com cartazes, manifestantes protestaram contra violência contra mulher (Foto: Davi Dietrich/Arquivo Pessoal)
De acordo com a organização do evento na página do evento nas redes sociais, o ato é uma forma de se posicionar contra o período de crescente conservadorismo no Legislativo federal, que tem colocado em risco a saúde das mulheres.

Cosme Araújo denuncia irregularidade no Regime Jurídico do servidor público de Ilhéus; oposição deve trancar a pauta


regimes Em outubro último o vereador Cosme Araújo, após um discurso contundente e fundamentado no plenário do legislativo e, a própria manifestação dos sindicatos presentes, forçaram o prefeito de Ilhéus retirar o Projeto de Lei que instituía o Estatuto do Servidor Público Municipal. “Existe ilegalidade formal na aprovação da lei nº 3.654/2013 quanto à regulamentação do regime jurídico, já que não obedeceu aos tramites legais”, afirma Araújo. Para o vereador não se trata de discutir ou votar o Estatuto neste momento, mas, que o governo reenvie o projeto à Câmara para uma nova análise, e sua posterior regulamentação. Pela legislação cabe suspensão imediata da votação do Estatuto. O governo tenta impor medidas autoritárias, em detrimento e prejuízos aos servidores públicos. O ano passado os vereadores governistas aprovaram o projeto de lei para posterior elaboração do Estatuto do Servidor Público Municipal de Ilhéus. Pelo projeto, esse estatuto deveria ser votado num prazo máximo seis meses. O que não ocorreu. Portanto, o governo perdeu o prazo e se faz necessário uma ampla discussão acerca da matéria. Segundo informações a mesa diretora aliada e a base do governo estará colocando em pauta na próxima 3ª feira, pela competência, a leitura do Estatuto do servidor público, numa manobra do prefeito, mas, que a APPI, SINSEPI E SINDGUARDAS devem ficar atentos.DEFENSOR DOS SERVIDORES: O vereador Cosme Araújo adianta que, além de não coadunar com o regime estatutário da forma que está sendo montado para prejudicar os servidores e de forma ditatorial do estatuto, sem discutir com as entidades sindicais, repudia a maneira como o legislativo vem agindo e atropelando a lei. PORTANTO, estará pedindo vistas aos projetos para diligências necessárias. O vereador Cosme Araújo considera a votação do estatuto sem prévias audiências e discussões, como um atentado à democracia, um sistema perverso deste governo irresponsável, que prevê inclusive a redução de direitos já consagrados como a licença maternidade e carga horária semanal de trabalho, além de suprimir o direito ao FGTS e não prever medida compensatória, como, por exemplo, a licença prêmio ou outras garantias. FGTS: Na opinião do vereador Cosme Araújo, tudo leva a entender que o executivo vem operando à margem da lei, numa total discrepância ao direito. “Solicitarei ainda relação atualizada dos recolhimentos do FGTS, nominalmente, de forma analítica, pois como agente público municipal, jamais poderia me omitir diante do descalabro e desordem que impera na atual gestão”, adverte o Defensor do Povo, COSME ARAÚJO. Do site O Defensor.

domingo, 29 de novembro de 2015


Professores da Uesc suspendem aulas na próxima terça (1º)


Na assembleia extraordinária realizada quinta-feira (26), os professores da UESC decidiram paralisar as atividades acadêmicas dessa terça-feira (1º). Eles vão participar de um ato público na Assembleia Legislativa da Bahia, em Salvador. Docentes das outras três universidades estaduais também comparecerão. Os professores criticaram a decisão do governo Rui Costa de cortar o adicional de insalubridade de servidores que comprovaram ter direito a recebê-lo. De acordo com a Associação dos Docentes da UESC, o governo “também tem imposto alterações aos direitos constituídos dos servidores públicos. Apenas este ano acabou com a integralidade das aposentadorias, rebaixou os salários com o parcelamento do reajuste linear e restringiu o acesso a pensão por morte”.

Ministério Público investigará documento que liga BTG a Cunha


Documento apreendido indica R$ 45 milhões do BTG para Eduardo Cunha.
Suposto pagamento seria para incluir emenda em uma Medida Provisória.

Vladimir NetoDa TV Globo, em Brasília
Presidente e controlador do banco BTG Pactual, André Esteves, durante entrevista em São Paulo, no ano passado (Foto: REUTERS/Nacho Doce) André Esteves, durante entrevista em São Paulo,
no ano passado (Foto: REUTERS/Nacho Doce)
A Procuradoria Geral da República relatou, no seu pedido para conversão da prisão banqueiro André Esteves e do chefe de gabinete do senador Delcídio do Amaral (PT-MS), Diogo Ferreira, de temporária em preventiva - acolhido neste domingo (29) pelo ministro do Supremo Tribunal Federal Teori Zavascki - que foi encontrado um documento, com uma escrita no verso, indicando o suposto pagamento de R$ 45 milhões do BTG para Eduardo Cunha, presidente da Câmara dos Deputados.
Segundo a PGR, na residência de Diogo Ferreira, foi encontrado este documento, contendo uma escrita, com o seguinte texto: "Em troca de uma emenda à Medida Provisória número 608, o BTG Pactual, proprietário da massa falida do banco Bamerindus, o qual estava interessado em utilizar os créditos fiscais de tal massa, pagou ao deputado federal Eduardo Cunha a quantia de R$ 45 milhões".
Ainda de acordo com o pedido da Procuradoria Geral da República para que a prisão temporária fosse convertida em preventiva, a anotação informa que teriam participado da operação, pelo BTG, Carlos Fonseca e Milton Lyra. "Esse valor também possuía como destinatário outros parlamentares do PMDB. Depois que tudo deu certo, Milton Lyra fez um jantar pra festejar. No encontro tínhamos as seguintes pessoas: Eduardo Cunha, Milton Lira, Ricardo Fonseca e André Esteves", informou a PGR.
O presidente da Câmara, Eduardo Cunha, questiona a isenção do deputado Fausto Pinato (PRB-SP) para relatar processo de cassação no Conselho de Ética (Foto: Wilson Dias / Agência Brasil)O presidente da Câmara, Eduardo Cunha
(Foto: Wilson Dias / Agência Brasil)
O advogado de Diogo Ferreira, Délio Lins e Silva Junior, informou que ainda não teve acesso à decisão do ministro Teori Zavascki, do STF, e aos termos da conversão da prisão e que, por isso, não tem como se manifestar. O G1 entrou em contato com a defesa do deputado Eduardo Cunha, mas, até a última atualização dessa reportagem, ainda não havia obtido resposta.
Medida Provisória 608
A Medida Provisória 608, aprovada em 2013, permite ao Banco Central determinar a extinção de dívidas dos bancos ou sua conversão em ações quando julgar ser preciso preservar o “regular funcionamento do sistema financeiro”, segundo critérios estabelecidos pelo Conselho Monetário Nacional (CMN).
A ideia do governo é impedir que a deterioração iminente da situação econômica da instituição atinja um ponto de não viabilidade. Isso aumentaria também a capacidade de absorção de perdas e a facilidade de compor o capital complementar exigido pelas regras prudenciais de Basileia III
 
Decisão do STF
Segundo o ministro do STF, Teori Zavascki, que acolheu o pedido da PGR, o material coletado nas buscas e apreensões, e os depoimentos colhidos no decorrer das prisões temporárias, permitiram o preenchimento dos requisitos para a decretação das prisões preventivas.
"De acordo com o artigo 312 do CPP [Código Processual Penal], esses requisitos são: garantia da ordem pública, da ordem econômica, por conveniência da instrução criminal, ou para assegurar a aplicação da lei penal, quando houver prova da existência do crime e indício suficiente de autoria", informou o STF.
PGR cita 'ofensa gravíssima'
O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, inforomou que solicitou ao STF a conversão da prisão temporária do banqueiro André Esteves e do assessor do senador Delcidio Amaral Diogo Ferreira em prisão preventiva neste sábado (27). Para ele, há "ofensa gravíssima à ordem pública diante da conduta dos dois investigados".
A PGR cita ainda, no pedido de prisão preventiva, que os objetos apreendidos na quarta-feira (25) e depoimentos prestados por investigados demostram "evolução em desfavor de André Esteves".
"Além disso, a petição de Janot argumenta que Esteves tem claro interesse em que não venham à tona colaborações premiadas que o vinculassem a fatos criminosos apurados na Operação Lava-Jato. No pedido de prisão temporária, feito na semana passada, Esteves foi apontado como o agente financeiro a oferecer apoio material à família de Nestor Cerveró em troca de ver seu nome preservado em eventual acordo de colaboração premiada", informou a PGR.
Da mesma forma, acrescentou a Procuradoria Geral da República, os objetos apreendidos com Diogo Ferreira demonstram a "densa participação dele no embaraço à investigação do crime de organização criminosa e no auxílio ao senador para explorar seu prestígio perante ministros do STF".
Prisão de Esteves e Diogo Ferreira
Esteves e Ferreira foram presos na última quarta (25), assim como Delcídio, suspeitos de tentar interferir no andamento das investigações da Lava Jato. Segundo a PGR, o grupo tentou convencer o ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró a não fechar acordo de delação premiada com o Ministério Público Federal e ofereceu à família dele R$ 50 mil mensais.
Sócio do banco BTG Pactual, Esteves está detido em um presídio na cidade do Rio de Janeiro e Diogo Ferreira, na Superintendência da Polícia Federal em Brasília – mesmo local onde está Delcídio do Amaral.
Responsável pela defesa de André Esteves, o advogado Antônio Carlos de Almeida Castro, chegou a pedir neste domingo ao Supremo que não prorrogasse a prisão temporária do cliente, que terminaria à meia-noite. Entretanto, não foi atendido pelo STF.

Enquanto os brasileiros sofrem com a crise, Dilma se hospeda num hotel de luxo em Paris


Em vez de ficar na Embaixada Brasileira, que já custa uma fortuna aos cofres públicos, a Presidente preferiu ficar no caríssimo Le Bristol, um dos hotéis mais suntuosos da capital francesa.

Dilma Rousseff parece estar de brincadeira com o povo do Brasil. Só isso explica. Afinal, em plena crise econômica, com empregos sendo cortados, impostos aumentando, poder de compra caindo, ela “se concede” um luxo desse tipo (detalhe: ela entrou pela porta dos fundos).
A visita à França é de fato indispensável, haja vista a realização da COP-21 (Conferência do Clima), mas como Chefe de Estado do Brasil ela poderia, por exemplo, ficar na Embaixada – que, vale lembrar, custa muito aos cofres públicos, mas afinal de contas ao menos já pagamos tal valor.
Mas, não. Nossa “rainha” escolhe o hotel Bristol de Paris, um dos mais chiques (e evidentemente caros) da França.
Leia também: Brasileiros gastam com Dilma o dobro do que britânicos gastam com a rainha Elizabeth II
Leia também: Brasileiros gastam com Dilma o dobro do que britânicos gastam com a rainha Elizabeth II
É vergonhoso, é desrespeitoso, é mesmo inadmissível. Enquanto o povo se sacrifica de todas as formas no Brasil em meio a uma das piores crises por que passamos (e toda ela por culpa EXCLUSIVA da Presidente e de seu partido), nossa sobreana se hospeda num dos hotéis mais caros e suntuosos do mundo – mesmo podendo ficar na embaixada.
Isso é escárnio puro. E há quem não entenda porque quase todos os brasileiros querem o impeachment – a despeito da inércia até meio sarcástica de parte da oposição oficial.
A seguir, algumas fotos do hotel Le Bristol:
bristol_03
bristol_04
bristol_05
bristol_02
bristol_01
Que crise?

afirma que Lula deve ser o próximo a ser investigado


Bumlai e Lula (Foto: reprodução)
E Okamotto ainda diz que Lula e Bumlai não são tão amigos assim
Murilo Ramos
Época
Agentes da Polícia Federal encontraram na manhã de terça-feira fotos de Lula abraçado ao pecuarista José Carlos Bumlai. As imagens estavam num escritório de Bumlai em Campo Grande, capital do Mato Grosso do Sul. Numa delas, obtida pela coluna Expresso, o ex-presidente está juntinho de Bumlai numa festa animada ao som de viola.  Os policiais ainda não sabem quando as fotografias foram tiradas. Até hoje, só havia uma imagem pública de Bumlai e Lula juntos. Recentemente o presidente do Instituto Lula, Paulo Okamotto, disse que Lula e Bumlai não eram “tão amigos assim”.
Bumlai foi preso hoje em Brasília durante a 21ª fase da Operação Lava Jato. Ele deporia na CPI do BNDES, mas foi surpreendido pela Polícia Federal num quarto de um hotel luxuoso da capital federal.
Os procuradores da Lava Jato acreditam que o ex-presidente Lula se tornou um alvo possível na investigação. Há três meses, imaginavam que focar a investigação em Lula causaria tumulto excessivo. De lá para cá, no entanto, jorraram elementos que o aproximaram dos crimes investigados. Os mais importante deles foram os fatos apurados contra o pecuarista José Carlos Bumlai – que, segundo o delator Fernando Baiano, agia em nome de Lula – e acerca do dinheiro do petrolão nas campanhas do petista.
DELAÇÃO DE DELCÍDIO
O senador Delcídio do Amaral, preso pela Polícia Federal por tentar obstruir a Lava Jato, começou a negociar uma delação premiada com a Procuradoria-Geral da República. Os procuradores, no entanto, só vão topar se ele entregar mais do que malfeitos de Nestor Cerveró. Já avisaram: se quiser conversa, Delcídio vai ter que atirar para cima.
###

do Ano: Delcídio vai provar inocência, dizem assessores

Delcídio diz que é inocente e André Puccinelli cai na risada
Deu na Agência Brasil
A assessoria do senador Delcídio do Amaral (PT-MS) divulgou nota na qual informa que o parlamentar vai provar sua inocência. Delcídio foi preso na quarta-feira por determinação do Supremo Tribunal Federal (STF). Ele é investigado sob a acusação de atrapalhar a parte da investigação da Operação Lava Jato que cita o ex-diretor da Área Internacional da Petrobras Nestor Cerveró.
Segundo a assessoria, o senador está “abatido, porém sereno e concentrado” com seus advogados para provar sua inocência o quando antes. Sobre o depoimento prestado ontem na Superintendência da Polícia Federal em Brasília, onde está preso, a nota informa que as declarações do parlamentar foram somente parte dos esclarecimentos que serão prestados.
No depoimento dessa quinta-feira, Delcídio negou ter tentado obstruir as investigações da Operação Lava Jato. A oitiva durou quase quatro horas e, segundo a defesa do senador, ele respondeu a todas as perguntas e esclareceu o episódio no qual é acusado de obstruir a Justiça.
MAIS UMA PIADA
Preso há três dias, o senador pediu, nesta sexta-feira (27) que levassem a ele um Big Mac com Coca-Cola Zero. Pela manhã, ele ganhou um bolo caseiro e uma garrafa térmica de café com leite. O senador tem rejeitado a comida oferecida pela Polícia Federal por restrições alimentares. Ele toma remédios controlados para diabetes e para a digestão.
Interessado por história, o petista está lendo o livro “A origem do Estado Islâmico”, de Patrick Cockburn, que mostra a conjuntura em que surgiu o grupo terrorista e, segundo pessoas próximas a ele, não quis ler jornais. O senador também recebeu uma Bíblia nesta sexta de sua esposa, Maika Amaral, que o visitou pela manhã.
Por ter foro privilegiado, o senador está preso em uma sala administrativa adaptada às pressas para recebê-lo na sede da Superintendência da Polícia Federal do Distrito Federal, em Brasília.
###

Terremoto nas terras de ninguém…


Vaiado num restaurante, Patrus precisa se explicar…
Sylo Costa
O Tempo
Tenho medo e estou apreensivo com tantos terremotos nas terras da desgraça. De repente, o mundo começa a tremer de Mariana ao Atlântico, e assim fica explicado o rompimento das barragens da Samarco. Coincidência ou conveniência? É tudo isso e mais irresponsabilidade das empresas que exploram esse tipo de trabalho escravo, além das autoridades, as de agora e também as de outrora… Culpar terremoto é uma boa tática pra ficar livre de indenizações, né? Assim como de todos nós, que votamos por obrigação legal… Muitos são aqueles que jogam no time do “quanto pior, melhor”. Nesse cenário infeliz, o governador perde pontos quando anuncia o desastre da mineradora Samarco fora do palácio do governo e justamente na sede da empresa.
Não será essa falta de desconfiômetro das autoridades o motivo do acirramento dos ânimos políticos? O povo cansou de tanta mentira e roubalheira e está no limite da tolerância. Não é sem motivo que Dona Dilma aparece na televisão, e, de repente, não se sabe de onde saem tantas panelas. O ex-Luiz, acostumado a andar nos braços de uma “currumaça” de puxas do seu governo, em que mamou até vomitar, sente falta das mamadeiras, e, daí, sobram vaias para todo mundo. Petistas estão sendo vaiados em todos os lugares públicos onde aparecem.
Há duas semanas, uma manifestação de repúdio ao petista Patrus Ananias, vaiado quando tomava umas pingas com um casal amigo em um dos nossos botecos, foi motivo de reclamações até de adversários, já que é sabido que ele, Patrus, é boa gente, além de pertencer a um clã familiar dos mais tradicionais daqui, das Gerais. E surgiu a dúvida: os protestos e as vaias não teriam sido para o casal que o acompanhava? Pode ser, já que o ministro e ex-prefeito de BH goza de elevado conceito na capital. E, por isso, apareceu numa dessas correntes sociais da internet um movimento com o nome de “rolezinho para tomar cerveja com o Patrus”. E aí, também, novas reações.
O NOME DE PATRUS
A penúltima edição da revista “Veja”, de número 2.451, de 11.11.15, publicou trechos do depoimento do dono da construtora UTC, que está preso por envolvimento na operação Lava Jato, em que esse delator denuncia políticos, alguns mineiros, que receberam dinheiro das obras do Comperj – Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro – nesta última eleição e também na de 2012. Para minha surpresa, o nome de Patrus está lá, com mais meia dúzia de deputados do PT.
Também é voz corrente no meio político que durante todo o tempo em que ele foi ministro de Estado pela primeira vez, no governo Dilma manteve, e mesmo agora mantém, gabinete permanente na chamada augusta Assembleia, onde é funcionário efetivo com todas as prerrogativas de líder de bancada. Será mesmo?
Custo a acreditar nisso, e nem preciso, mas a seus amigos de opa, que o têm como guru, e cujo partido é esconderijo de apóstatas terroristas, é bom que ele dê explicações se não quiser levar mais vaias. O inferno está cheio de inocentes…

As vantagens de ser homem


Charge de Evans (reprodução da internet)
Eduardo Aquino
O Tempo
Devo confessar que li algo a respeito, mas minha inspiração desta semana se deu ao deparar com um artigo científico dizendo que sonhar acordado faz um bem enorme à saúde. Adorei! E se isso de ser sonhador for verdade, morrerei de velho ou num provável acidente de carro sem motorista pegando carona num automóvel inteligente do Google (só para aprender a falar mal da doença do vício de tecnologia que robotiza sentimentos e desertifica as relações familiares e sociais). Aproveitei o embalo e resolvi pensar sobre minha espécime, o homem. Em especial, o quanto as mulheres andam cada vez mais queixosas dos homens e, paradoxalmente, mais querem um homem para chamar de seu. Ou não?
Esses seres que nasceram isentos de ter que sangrar a cada mês, nunca ter TPM, não precisar de ocupar a barriga carregando uma criança por nove meses… Entretanto, se dão o direito de ter barrigas enormes, amamentadas por cervejas loiras e geladas. Homens, esses viciados em testosterona, violentos, impulsivos, predadores sexuais, que, no entanto, salivam e gozam na vitória de seus times, ou se esborracham nas canchas de peladas (campos de futebol, senhores), e depois se confraternizam na mesa do bar, falando de mulher, contando mentiras de conquistas improváveis, carros espetaculares e outras bobeiras mais.
HOMENS NÃO PRESTAM
Por definição delas, “homens não prestam” ou “todos eles são sem vergonha”, o que os isentam de culpa, afinal… E, assim, tanto faz as ações do dia a dia, pois o veredicto já está dado. Adora a fêmea alheia, assim como se ofende com o olhar de outro macho para as virtudes da sua. Superficiais, quantitativos do tipo espalhe tua semente, o que explica que a ejaculação produza 250 milhões de espermatozoides enquanto elas, um ovulozinho, e olhe lá! Adoram conquistar, mas enjoam fácil, pois o melhor é sempre o que o outro macho tem.
Odeiam discutir relação, mas passam horas ouvindo mesas redondas sobre futebol. Cegos para o novo corte de cabelo da companheira, correm para comprar a novidade eletrônica ou o novo uniforme número três do time do coração. Nunca entendem o motivo de as mulheres não quererem sexo frequente, embora pouco entendam sobre ovulação, menopausa, menstruação. Preguiçosos em geral, desatentos quase sempre, adoram turmas, confrarias, estar com outros machos bêbados, desordeiros, meninões.
Cada dia mais decadentes, pois a oferta anda alta e a evolução da mulheres e a conquista de espaço delas os acomodou. Enquanto homens dormem para a vida, elas anda tirando deles alguns poderes e vantagens culturais, como ser cabeça de família, estabelecer poder financeiro, direitos culturais e jurídicos (ainda que na cultura islâmica ou oriental seja comum). Até a “dança do acasalamento”, antes uma iniciativa masculina, anda sendo exercitada pelas mulheres, o que tem sido um desastre, pois, uma vez que a cama seja compartilhada, após noitada alcoólica-drogada, deletar o número da musa da balada é quase uma norma dos príncipes da noite, os zumbis das noitadas.
SER MULHER…
Pensando bem, não é fácil ser mulher: menstruar, amamentar, parir, cuidar de filhos, trabalhar fora, estudar, ir ao salão, fazer as unhas, saber discernir homem que não presta, de sapo, de gente boa que não é do ramo, dos bons homens que sem dúvida existem e, provavelmente, minha amiga leitora, deve ser do tipo seu namorado, noivo ou marido. Talvez por isso admire tanto as mulheres, e a cada dia aprenda com elas a ser menos pior. Mesmo assim, e sendo pai de três delas, espero que, se a teoria budista tiver fundamento, ainda assim, possa eu pagar todos meus carmas nesta vida, pois não é fácil ser mulher. Que todas possam ir para o céu!
Mas insisto que subam aos poucos, pois, se todas forem de uma vez, aquilo vira um inferno danado!
PS: Antes que seja tarde, hoje foi só brincadeirinha, ok! É que o mundo anda tão trágico…

Prisão de senador ameaça a imagem e o futuro do governo


O que Dilma tinha na cabeça ao escolher Delcídio como líder?
Igor Gielow
Folha
A prisão do senador Delcídio do Amaral (PT-MS) caiu como uma bomba no Palácio do Planalto. Os temores são múltiplos, não apenas pelo desastre de imagem de ver o líder do governo no Senado preso acusado de bolar um plano para tirar um suspeito de crime do país. O líder do governo no Senado foi preso nesta quarta-feira (25) no âmbito da Operação Lava Jato por tentar conturbar as investigações. Ele teria oferecido uma mesada de R$ 50 mil ao ex-diretor da Petrobras Nestor Cerveró para que ele não fechasse acordo de delação premiada com os investigadores. Além disso, queria que Cerveró fugisse do país.
Antes de tudo, as condições da prisão do senador e do banqueiro André Esteves. O governo avalia que o ministro Teori Zavascki, do Supremo Tribunal Federal, não autorizaria operação de tal impacto se a contrapartida não fosse forte o suficiente: não apenas o plano de fuga oferecido a Nestor Cerveró, mas também a possibilidade de que a revelação dele seja parte da negociação da delação premiada do ex-diretor da Área Internacional da Petrobras.
Especulada e negada há meses, a delação de Cerveró, que agora foi fechada, é um dos pesadelos do governismo e do petismo, mas não só, já que o ex-diretor era uma indicação sustentada pelo PMDB – mais especificamente, apesar das negativas, do grupo do presidente do Senado, Renan Calheiros (AL), que oficialmente nega isso.
E há o senador preso. Delcídio, que adotou o “do” no sobrenome ano passado por dica de uma numeróloga, é um dos políticos com melhor trânsito na área de energia – foi rapidamente ministro do setor no governo Itamar Franco e ocupou a diretoria de Gás da Petrobras. Mais que isso, tinha pés em todas as canoas políticas relevantes.
Foi tucano e deixou o partido em 2001, aliando-se ao grupo do ex-governador Zeca do PT (MS). No Senado desde o início do governo Lula, em 2003, Delcídio ganhou fama de habilidoso operador político.
FARÁ DELAÇÃO PREMIADA?
Agora, tudo isso pode voltar-se contra ele. A ser confirmado tudo o que se diz nos meios judiciais em Brasília, Delcídio poderá se ver sem mandato e na cadeia por um bom tempo, o que levaria à questão da delação premiada.
Em um exercício de especulação, Delcídio poderia então falar sobre os meandros de diversas negociações potencialmente danosas ao governo e ao PT.
Ele foi, por exemplo, presidente da CPI dos Correios (2005), que investigou o mensalão – abundam insinuações, na oposição, de que ele ajudou a evitar a citação ao então presidente Luiz Inácio Lula da Silva no texto final do relator Osmar Serraglio (PMDB-PR). Ele sempre negou.
Além disso, Delcídio tinha a área internacional da Petrobras como uma de seus campos de influência na estatal, sendo co-patrocinador da indicação de Cerveró para a diretoria. Foi sob esta área que ocorreu a obscura compra da refinaria de Pasadena (EUA), em investigação na Lava Jato e que esbarra em decisões do Conselho de Administração da estatal, presidido então por Dilma Rousseff.