sábado, 17 de junho de 2017

Na economia, o pior já passou, há sinais de retomada, mas na política…


Resultado de imagem para recuperação economica charges
Charge do Dalcio (dalciomachado.blogspot.com)
Flávio José Bortolotto
Apesar das turbulências políticas que atrapalham os negócios, a economia do Brasil vem mostrando sinais crescentes de retomadas. A Taxa de Poupança Bruta (o famoso Excedente) que em 2012 atingiu um pico de 20% do PIB e na recessão caiu ao mínimo de 14% no meio de 2016, já subiu para 16% do PIB e com viés de crescente alta. É claro que estamos longe do ideal de 25% do PIB, mas já estamos indo para o lado certo.
A Taxa de Investimento, que quase sempre é maior do que a Poupança devido à entrada de capitais do exterior, no pico entre 2011 e 2014 estava em 21% do PIB, na recessão caiu para 15,7% do PIB, mas dá sinais de reativação já a partir do terceiro trimestre de  2017. Longe ainda de um ideal de 28% do PIB, mas também para o lado certo.
PRODUÇÃO AGRÍCOLA – Nossa safra de grãos foi recorde em 2016 com 232 milhões de toneladas, deve bater novo recorde em 2017, crescendo mais 5% para atingir este ano 244 milhões de toneladas.
A construção civil, nossa maior Indústria, que no pico de 2010 construiu cerca de 800 mil casas/apartamentos/lojas, e que no fundo do poço de fim de 2016 caiu para cerca de 400 mil unidades, deve virar o ano com 420 mil casas/apartamentos/lojas, como demonstra o aumento do consumo de cimento Portland.
O setor automotivo, nossa segunda maior indústria, que no pico de 2010 construiu cerca de 4 milhões de veículos, e que no fundo do poço em 2016 caiu para cerca de 2 milhões, deve virar o ano produzindo em torno de 2,5 milhões.
REPATRIAÇÃO – O Programa de Repatriação de Divisas em contas no exterior rendeu em 2016 R$ 170 bilhões ou US$ 54 bilhões, deixando uma receita líquida para o governo de (15% multa + 15% de Imposto de Renda), ou seja, R$ 51 bilhões ou US$ 16 bilhões, quase o que se arrecadaria com um imposto do cheque de 0,25%.
Neste ano de 2017, o mesmo Programa de Repatriação deverá render a metade destes valores, o que é outra receita líquida para o governo.
Não é descabida a previsão de que o PIB/2017 crescerá 1%, e que em 2018 (ano de eleição, principalmente presidencial) a economia cresça 3%, agora já tracionada pelo consumo, que representa cerca de 75% de nossa economia.
O pior já passou.
Posted in

Nenhum comentário:

Postar um comentário