sábado, 17 de junho de 2017

Wäls: família que brinda unida tem a arte de fazer cerveja


A produção de cerveja artesanal, arte herdada pelos pais Miguel e Ustane, se tornou paixão e meio de vida para os filhos José Felipe e Tiago Carneiro. De uma pequena fábrica de 400 metros quadrados inaugurada em 1999, no bairro São Francisco, em Belo Horizonte, nasceu a cervejaria Wäls, hoje uma das mais premiadas do país e até do mundo.
Inicialmente, os chopes abasteciam apenas as lojas da rede Bang Bang Burguer, que pertencia à família, e eram vendidos em eventos de universidades. Em 2006, com investimentos de US$ 100 mil, a área da cervejaria foi ampliada para 2 mil metros quadrados.

De lá para cá, muitos foram os avanços na empresa comandada pelos irmãos Carneiro com auxílio dos pais. Entre eles a inauguração neste mês do Ateliê Wäls - centro de inovação cervejeira localizado no bairro Olhos D’água, onde são produzidos 100 mil litros de cerveja envelhecidos em barricas. “Hoje, das 21 linhas de cerveja produzidas, 80% das vendas estão concentradas nas regiões Sudeste e Sul”, afirma Felipe.
Considerado o maior barrel room da América Latina, o Ateliê Wäls ocupa uma área de 1.900 metros quadrados. Instalado em um mirante, é dividido em ambientes modernos e conectados, como o tasting room (semelhante bar de fábrica), loja, adega, barrel room e escritório. No local, os visitantes podem conhecer o processo de produção, participar de degustações e levar os rótulos prediletos para casa.

Ao todo são 21 torneiras de chope. A adega conta com 21 mil garrafas de cerveja champenoise, cujo método é o mesmo utilizado na fabricação de champanhe.

Entre as centenas de barricas que compõem o espaço, há cerca de 12 tipos de madeira, que vão desde carvalho francês e americano, até alguns feitos com a madeira brasileira umburana.
Outra novidade são as duas barricas especiais que serão usadas na produção de uma linha exclusiva de sour beer.

“Além de novos sabores, o envelhecimento em madeira proporciona elegância e potência à cerveja. Algumas, inclusive, deixam o líquido com textura mais aveludada” explica José Felipe. O objetivo é propor um cruzamento de sabores inovadores e complexos. As duas barricas são destaque em uma adega com mais de 20 mil garrafas, localizada sobre a loja do Ateliê.

História
A grande investida da empresa ocorreu em 2007, quando os irmãos Felipe e Tiago decidiram apostar em novo segmento, o de cervejas engarrafadas. A primeira da série foi a Wäls Dubbel, preparada com frutas secas (uva-passa), especiarias e maltes especiais.

A comercialização, segundo José Felipe, era direcionada para supermercados da capital mineira. O sucesso foi tanto que a empresa começou a receber demandas de São Paulo e do Sul do Brasil.
Desde 2012 a Wäls tem recebido premiações internacionais, conforme Felipe. A cervejaria está em constante processo de inovação, com criação de fórmulas.
“Utilizamos ingredientes usados na gastronomia, desde temperos, como pimenta da Jamaica, até casca de laranja da terra”, explica.
O empresário destaca que um dos diferenciais das bebidas Wäls é que são refermentadas, característica das cervejas belgas.
Em 2015, a Wäls passou a fazer parte da Ambev, que à época divulgou o faturamento de quase R$ 9 milhões da empresa. Já a produção chegava a 500 hectolitros de cerveja por mês.
“A nossa cervejaria era pequena, mas eles (Ambev) a enxergaram como modelo de negócios. Então, vimos que juntos éramos melhor que separados”, ressalta Felipe.

Nenhum comentário:

Postar um comentário